Mensagem do Papa Francisco, “Angelus” de hoje, 25/01/2015

Caros irmãos e irmãs, bom dia!

O Evangelho de hoje nos apresenta o início da pregação pública de Jesus, na Galiléia. São Marcos sublinha que Jesus começou a pregar depois que João Batista fora preso. Justo no momento em que Herodes faz calar a voz profética do Batizador, que anunciava a chegada do Reino de Deus, é que Jesus começa a percorrer os caminhos de Sua terra, para levar a todos, em especial aos pobres, o Evangelho de Deus. O anúncio de Jesus é semelhante ao de João, com uma diferença substancial: é que Jesus não mais um outro que vem: é Ele próprio o cumprimento das promessas. É Ele a “Boa Nova” em que se deve crer, que deve ser acolhida e comunicada aos homens e às mulheres de todos os tempos, para que também eles Lhe confiem sua existência. Jesus Cristo em pessoa é a Palavra viva e palavra operante na história: quem O escuta e O segue, entra no Reino de Deus.

Jesus é o cumprimento das promessas divinas porque é Aquele que dá ao homem o Espírito Santo, a água viva que dessedenta nosso coração inquieto, sedento de vida, de amor de liberdade, de paz – sedento de Deus. Quantas vezes sentimos ou temos sentido sedento o nosso coração! Ele mesmo O revelou à mulher samaritana, encontrada perto do poço de Jacó, à qual disse: “Dá-me de beber.” Inclusive, estas palavras de Cristo, dirigidas à Samaritana, constituíram o tema da Semana anual de Oração pela unidade dos cristãos, que se encerra hoje.

Hoje à noite, com os fiéis da Diocese de Roma e com os representantes das diversas Igrejas e Comunidades eclesiais, nos reuniremos na Basílica de São Paulo “fora dos muros”, para orar intensamente ao Senhor, para que fortaleça nosso empenho pela plena unidade de todos os cristãos. É algo brutal que nós, cristãos, estejamos divididos. Mas, Deus nos quer unidos, um só corpo. Nossos pecados, a história nos dividiram. Eis a razão por que devemos rezar muito, para que o Espírto Santo nos una, de novo.

Ao fazer-se homem, Deus fez Sua nossa sede, não só de água material, mas sobretudo sede de vida plena, livre da escravidão. do mal e da morte. Ao mesmo tempo, com a Sua encarnação, Deus colocou a Sua sede no coração de um homem – Jesus de Nazaré. Deus tem sede nós, do nosso coração, do nosso amor. E a colocou no coração de Jesus.

Portanto, o coração de Cristo, encontram-se a sede humana e a sede divina. E o desejo de unidade de Seus discípulos pertence a esta sede. Nós o encontramos muitas vezes na Oração elevada ao Pai, antes da Paixão: “Para que todos sejam um.” Eis o que Jesus queria: a unidade de todos. É o diabo, como o sabemos, o pai da divisão. É alguém que sempre divide, que faz guerra, faz muito mal.

Que esta sede de Jesus se torne cada vez mais também a nossa sede! Continuemos, pois, a orar e a empenhar-nos pela plena unidade dos discípulos de Cristo, na certeza de que Ele mesmo se encontra entre nós e nos sustenta com a força do Seu Espírito, para que tal meta se aproxime. E confiemos esta oração à maternal intercessão à Maria Virgem, Mãe de Cristo e Mãe da Igreja, para que ela a todos nos uma, como boa Mãe.

https://www.youtube.com/watch?v=842pK9G_04M

(Do minuto 4:50 ao minuto 10:42)

Trad.: AJFC

Deixe uma resposta