Mensagem do Papa Francisco

“Regina Coeli” – Dia 09-05-2021

No Evangelho deste domingo, Jesus, após haver comparado a Si mesmo com a videira e a nós com os ramos, explica qual é o fruto que produzem aqueles que permanecem unidos a Ele: este fruto é o amor. Ele ainda retoma o verbo-chave: permanecer. Convida-nos a permanecermos em Seu Amor para que a Sua alegria esteja em nós e a nossa alegria seja plena. Permanecer no amor de Jesus.

Perguntemo-nos: que amor é este no qual Jesus pede para que nele permaneçamos a fim de termos sua alegria? Que amor é este? É o amor que tem origem no Pai, porque Deus é amor. Este amor de Deus, do Pai, como um rio que corre no filho de Jesus e, através Dele, chega até nós, Suas criaturas. Com efeito, Ele diz: “Como o Pai me amou, Eu também os amei.” O amor que Jesus nos dá é o mesmo com o qual o Pai O ama: amor puro, incondicional, amor gratuito. Não se pode comprar, é gratuito. Ao nos dar, Jesus nos trata como amigos – com este amor -, fazendo-nos conhecer o Pai, e nos envolve em Sua mesma missão pela vida do mundo

E assim, podemos fazer a pergunta, como se faz para permanecer neste amor? Jesus diz: “Se vocês observarem os Meus mandamentos, permanecerão no Meu amor.” Seus mandamentos, Jesus resumiu em um só: “Que vocês se amem uns aos outros, com Eu os amei”. Amar como ama Jesus significa colocar-nos a serviço, a serviço dos irmãos, assim como Ele fez quando lavou os pés dos discípulos. Significa também sairmos de nós mesmos, afastar-nos das nossas seguranças humanas, das comodidades mundanas, para nos abrirmos aos outros, especialmente, a quem tem mais necessidade. Significa colocar-nos à disposição, com o que somos e o que temos. Isto quer dizer amar, não por palavras, mas com obras.

Amar como Cristo significa dizer não a outros amores que o mundo nos propõe: amor ao dinheiro – quem ama o dinheiro não ama como Jesus -, amor pelo sucesso, pelas vaidades, pelo poder… Estes caminhos enganosos de amor nos distanciam do amor do Senhor e nos levam a nos tornarmos sempre mais egoístas, narcisistas, prepotentes. E a prepotência conduz a uma degeneração do amor, nos leva a abusar dos outros, a fazermos sofrer a pessoa amada. Penso naquele amor doentio que se transforma em violência – e quantas mulheres são vítimas diárias de violência. Isto não é amor. Amar como o Senhor nos ama quer dizer ter apreço pela pessoa que está ao nosso lado, respeitar sua liberdade, amá-la como a mim mesmo, não como nós queremos que seja, mas como é: gratuitamente. Definitivamente, Jesus nos pede para que permaneçamos em Seu amor, habitar em Seu amor, não em nossas ideias, não no culto a nós mesmos. Quem habita no culto de si mesmo, vive no espelho: sempre a olhar para si mesmo. Ele nos pede para sairmos da pretensão de controlar e direcionar os outros. Não controlar, mas servi-los. Abrir o coração aos outros, isto é amor, e doar-nos aos outros.

Caros irmãos e irmãs, para onde leva este permanecer no amor do Senhor? Para onde leva? Jesus mesmo é quem diz: “Para que Minha alegria esteja em vocês e a sua alegria seja plena.” E a alegria que o Senhor tem, porque está em total comunhão com o Pai, quer que também esteja em nós enquanto estivermos a Ele unidos. A alegria de saber-nos amados por Deus, apesar de nossa infidelidade, nos faz enfrentar com fé as provações da vida, nos faz atravessar as crises para dela sairmos melhores. É no viver desta alegria que consiste nosso verdadeiro ser de testemunhas, porque a alegria é o sinal distintivo do verdadeiro cristão. O verdadeiro cristão não é triste, sempre carrega dentro de si aquela alegria, até mesmo nos maus momentos.

Que a Virgem Maria nos ajude a permanecermos no amor de Jesus e a crescermos no amor para com todos, testemunhando a alegria do Senhor Ressuscitado.

Trad: AJFC

Digitação: EAFC

Deixe uma resposta