Mensagem do Papa Francisco

“Ângelus” – dia 26.01.2020

Caros irmãos e irmãs, bom dia!

O Evangelho de hoje nos apresenta o início da missão pública de Jesus. Isto acontece na Galiléia, uma terra periférica, em relação a Jerusalém, e vista sob suspeita por conta da mistura com os pagãos. Daquela região nada de bom e de novo se esperava. Ao contrário, justamente a partir daí, Jesus que se havia criado em Nazaré da Galiléia, começa Sua pregação.

Ele proclama o núcleo central de Seu Ensinamento, sintetizado no chamamento: “Convertam-se, porque o Reino dos céus está próximo”. Este anúncio é como um poderoso facho de luz que atravessa as trevas e rompe a névoa, evocando a profecia de Isaías, que se lê na noite de natal: “O povo que caminhava nas trevas viu uma grande luz. Sobre aqueles que caminhavam em terra de trevas refulgiu uma luz”. Com a vinda de Jesus, Luz do mundo, Deus Pai mostrou à humanidade sua proximidade e sua amizade. Elas foram dadas gratuitamente, para além dos nossos méritos. A proximidade e a amizade de Deus não são mérito nosso: são um dom gratuito de Deus. Nós devemos preservar este dom.

O chamamento à conversão, que Jesus dirige a todos os seres humanos de boa vontade, só se compreende plenamente à luz do acontecimento da manifestação do Filho de Deus, sobre a qual meditamos domingo passado. Quantas vezes resulta impossível mudar a vida, abandonar o caminho do egoísmo, do mal; abandonar o caminho do pecado, porque o compromisso com a conversão se concentra apenas em si mesmo e na própria força, e não sobre Cristo e Seu Espírito. Mas, nossa adesão ao Senhor, não pode se reduzir a um esforço pessoal. Não. Acreditar nisto, inclusive, seria um pecado de soberba. Nossa adesão ao Senhor não se pode reduzir a um esforço pessoal. Deve, ao contrário, se expressar por uma abertura confiante do coração e da mente para acolher a Boa Nova de Jesus. É esta – a Palavra de Jesus, a Boa Nova, o Evangelho – que muda o mundo e os corações! Portanto, somos chamados a nos confiar à Palavra de Cristo, a abrir-nos à misericórdia do Pai e a deixar-nos transformar pela graça do Espírito Santo. Assim como aconteceu com os primeiros discípulos: o encontro com o Mestre divino, com o Seu olhar, com Sua palavra, deu-lhes o incentivo para segui-Lo, para mudar a vida, pondo-se concretamente a serviço do Reino de Deus.

O encontro surpreendente e decisivo com Jesus deu início à caminhada dos discípulos, transformando-os em anunciadores e testemunhas do amor de Deus para com seu povo. Seguindo o exemplo desses primeiros arautos e mensageiros da Palavra de Deus, que cada um de nós possa dar passos nas veredas do Salvador, para oferecer esperança a quantos dela têm sede.

Que a Virgem Maria, à quem nos dirigimos nesta oração do Angelus, ampare esses propósitos e os apoie com sua materna intercessão.

Trad: AJFC

Digitação: EAFC

Deixe uma resposta