FSU e FUM: diferenças no tratamento da questão ambiental

Enquanto na manhã de ontem (25/03) no Fórum Urbano Mundial, organizado pela ONU, conferencistas discutiam desenvolvimento de tecnologias chamadas de sustentáveis para preservação do meio ambiente, palestrantes do Fórum Social Urbano ressaltaram a necessidade de abordar a questão ambiental de maneira mais ampla.

Khailda Bouzar, do Programa ambiental das Nações Unidas, assim como o secretário Executivo da Comissão Economica Européia das Nações Unidas, citaram os investimentos sustentáveis em edificações e construções civis como um caminho a ser seguido. Eles responsabilizaram as construções civis por grande parte da emissão dos gases de efeito estufa.

Mas, para o pesquisador Marcelo Firpo, da Fiocruz, que debatia justiça ambiental no Fórum Social Urbano,  a atenção dada a essas questões ainda é pouca para  que realmente um desenvolvimento sustentável seja alcançado. E ressaltou: ” isso deve atinjir a sociedade de maneira igualitária”. Para ele, o debate travado pelos representantes da ONU é muito tecnicista, sendo as medidas são paliativas.

De acordo com Marcelo, os prejuízos ambientais são distribuídos desigualmente entre ricos e pobres. Um exemplo concreto foi exemplificado no próprio mesa de deabtes. Rosilene de Freitas, do Coletivo “A Baía de Sepetiba pede Socorro” , denunciou a situação das populações atingidas pela instalação da  Companhia Siderúrgica do Atlântico (TKCSA), Zona Oeste da cidade do Rio.

A instalação da transnacional tem causado sérios impactos ambientais, inclusive, aos pescadores locais. A trasnacional, quan ainda não começou a operar, será uma das maiores responsáveis pela emissão de gás carbônico na atmosfera no estado do Rio. Além da contaminação das águas, já houve casos em que pescadores dispostos a denunciar a situação sofreram ameaças de morte por parte de integrantes de milícia, muito presente na região. O caso demostra que a falta de justiça ambiental também cria problemas urbanos como o aumento da violência e de desigualdades sociais.

*Texto orginalmente escrito pela Agência Pulsar e publicado na página do Fórum Social Urbano .

Deixe uma resposta