Folha: não dá mais pra ler

Decido cancelar minha assinatura da Folha de São Paulo depois de quinze anos. Hesitei muito, porque ela foi um baluarte jornalístico para minha geração. Ali acompanhei, adolescente, o movimento Diretas-Já. Colecionava encartes, discutia editoriais. Sonhava em fazer parte do quadro de colunistas do jornal. A Folha era bacana, moderna, quase obrigatória.
Planejava o divórcio há algum tempo, mas o adiei porque estava curioso para conhecer a reforma gráfica e as mudanças prometidas pelo novo editor-executivo, o jovem e talentoso Sérgio Dávila. Dupla decepção.
A questão do design é comodamente subjetiva. Sempre haverá o cinismo “especializado” a bafejar que o objetivo era mesmo esse, qualquer que seja o resultado. E o leitor se acostuma a tudo. Inclusive à mancha horrorosa no alto das capas dos cadernos, ou à tipologia que parece colhida nas Publicações Acme dos desenhos animados. Convenhamos, foram muitos esforços humanos e financeiros para se chegar a resultado tão pífio. A Folha perdeu sua cara. Pior, ficou feia. Mesmo os raros acertos têm ar de cópia ou improviso. O tablóide Esportes remete a similares estrangeiros, como o argentino Olé. As redundantes artes explicativas ocupam espaço injustificável.
A reforma editorial trouxe verniz de imparcialidade à cobertura política. Mas o tratamento dispensado aos candidatos presidenciais de 2010 segue tendencioso, para dizer o mínimo. A Folha demonstraria mais respeito pela inteligência dos leitores se deixasse de lado a hipocrisia apartidária, assumindo suas evidentes preferências eleitorais. Assim não precisaria usar subterfúgios rasteiros para disfarçá-las.
Eu apurei que a divulgação de factóides sem o devido embasamento é o instrumento ideal para destruir reputações e favorecer projetos obscuros. Profissionais ouvidos no meio enxergam na indiscriminada ocultação de fontes um salvo-conduto para qualquer abuso difamatório.
Ao privilegiar diplomados, a Folha assimilou a baixa qualidade da formação universitária em jornalismo. Os equívocos gramaticais e técnicos são abundantes. A recente inserção de análises pontuais remenda mal os defeitos do noticiário, pois tenta impor vaticínios duvidosos de manjados profissionais que inevitavelmente possuem algum interesse nas questões abordadas. Os jargões de release escancaram o pendor publicitário dos cadernos de variedades, que repetem pautas convenientes à indústria do entretenimento (basta ver as matérias sobre canais pagos e leis de incentivo). Salvo honrosas exceções, os juízos estéticos de seus repórteres são risíveis.
Mas não existe decadência mais constrangedora que a dos espaços regulares de opinião. Abandonando qualquer ilusão de pluralidade, o jornal transformou-se em vitrine para um conservadorismo provinciano, medíocre e repetitivo.
Diante da riqueza de nosso mundo acadêmico, a opção por Demetrio Magnoli, Boris Fausto e Marco Antonio Villa chega a parecer acintosa. Os chiliques elitistas de Danusa Leão, o udenismo de Fernando de Barros e Silva, as interjeições antipetistas de Eliane Cantanhêde (“massa cheirosa”, gente?), o neo-reacionarismo de Ferreira Gullar e os venenos de Josias de Souza envergonham a direita esclarecida e republicana que eles talvez julguem representar. Alguém realmente prefere João Pereira Coutinho a Jorge Coli? Luiz Carlos Mendonça de Barros a Paulo Nogueira Batista Jr? Quem faz contraponto ao serrismo de Elio Gaspari? A tolerante ombudsman Suzana Singer?
A presunção messiânica e uma lamentável falta de autocrítica impedem os editores de perceber que certas mesquinharias político-eleitorais destroem aos poucos os maiores patrimônios do jornal. Os editoriais são bobinhos, histéricos, esclerosados. As ameaças veladas ao presidente da República (“fique advertido”), em plena efervescência eleitoral, embutem um espírito autoritário e confrontador que só se viu nos piores momentos da história nacional. Nenhuma credibilidade sobrevive à responsabilização do governo federal por acidentes aéreos, à ficha apócrifa de Dilma Rousseff, à apologia da “ditabranda” ou à acusação de que os críticos da imprensa querem censurá-la. Defender tais absurdos em nome da liberdade de expressão não é apenas irresponsável: é ilegítimo e antidemocrático.
Talvez isso explique a necessidade de operar reformulações periódicas. Como ensinam as cartilhas publicitárias, o consumo inercial e o apelo das mudanças cosméticas inibem o abandono dos produtos de uso cotidiano. Só que a estratégia também pressupõe a satisfação de certas expectativas. A Folha se distanciou dos interesses de seu público a ponto de perder o mínimo papel utilitário que se espera de um veículo informativo. Ela virou um amontoado de páginas e seções descartáveis.
Imagine receber, toda manhã, a visita de alguém que tenta iludi-lo, repetindo bobagens e distorções. Agora imagine que você paga, e caro, para ser tratado como idiota. Demora, mas chega um momento em que o prejuízo deixa de compensar.
(*) Guilherme Scalzilli, historiador e escritor, mantém o blog http://www.guilhermescalzilli.blogspot.com/

9 comentários sobre “Folha: não dá mais pra ler”

  1. Pingback: Tweets that mention :: Fazendo Media: a média que a mídia faz :: » Folha: não dá mais pra ler -- Topsy.com

  2. Pingback: Folha: Não dá mais pra ler | A Identidade Bentes

  3. Nada mal para o jornal de um grupo que apoiou a ditadura.
    Grupo que fez um não-sei-o-quê nas pesquisas e foi o único a apontar queda da Dilma na reta final (27/09). E tem o disparate de esconder a “recuperação” dos dias 28-29/09 (47,5%), que até hoje não aparece no link principal da folha.com.

  4. Pois é, pensei em voltar a assinar a Folha semana passada: precisava de uma câmera fotográfica digital e a que eles ofereciam como brinde pela assinatura custava, na internet, R$ 350 – R$ 50 a mais do que a assinatura. Mas já tinha a promoção, logo, não assinei, afinal, o ponto era: compre uma máquina e ganhe grátis a assinatura de um jornal com quadrinhos excelentes, além de alguns textos esporádicos muito bons!
    Em março escrevi crônica similar, mais curta e suave por conta de onde publico, e menos detalhada, aí por conta do escriba mesmo. A reproduzo abaixo:
    Folha, PSDB e o discurso de imparcialidade
    por Daniel Gorte-Dalmoro
    Dos jornais diários e pretensamente sérios que mal-e-mal conheço, Gazeta do Povo, de Curitiba; Correio do Povo (pré-Universal), de Porto Alegre; Correio Popular, de Campinas; Estado de São Paulo e Folha de São Paulo, considero a Folha o melhor. Não, isso não é um elogio, é uma frase de desespero.
    Leio a Folha desde 1996 e acompanho in loco sua decadência. Por um tempo imaginei que se tratava de amadurecimento meu – afinal, em 1996 eu não tinha 15 anos –, porém é evidente que se trata mesmo de demérito do jornal.
    Além de ter perdido uma série de bons – ainda que controversos – colunistas ao longo desse tempo, a Folha tem cometido quase que semanalmente erros os mais elementares a qualquer cartilha de jornalismo, e mesmo ao seu manual da redação. Exemplos há aos borbotões: editoriais com referência ao “aiatolá Stedille” ou à “ditabranda brasileira”, artigos sobre abuso sexual cometido na prisão pelo presidente Lula, em 1980, algo de conhecimento exclusivo de Cesar Benjamin, negado até pelo suposto abusado.
    Mas o que mais tem me irritado é o jornal seguir se dizendo independente e imparcial. Claro, a busca pela imparcialidade é o ideal, mas chegar a ele é impossível. De qualquer forma, um primeiro passo para quem almeja isso é admitir sua parcialidade. A Folha é claramente um jornal liberal demi-conservador, com grandes afinidades com o tucanato paulista. Isto é uma constatação, não uma crítica, e não implica necessariamente que o jornal seja partidário, mero propagandista do PSDB. Ao subestimar a inteligência dos seus leitores, porém, essa imagem se reforça a cada dia. Como as reportagens favoráveis à rede estadual de educação que têm pipocado em suas páginas.
    Todos sabem que a condução da educação nos governos tucanos é temerosa, não só no estado de São Paulo como em nível federal, impossível de ser defendida por quem seja, além do Paulo Renato e dos donos das instituições privadas – e olhe lá. O Anderson reiteradamente trata do tema na Hypnos. Mas eis que Folha descobre que há pontos positivos, que nem tudo está perdido, muito pelo contrário: a salvação está próxima – talvez em outubro, é o que se pode deduzir. Se a Folha acredita mesmo que educação pública paulista não é uma lástima, cabe então informar seus leitores quantos (e quais) dos cabeças do jornal possuem filhos em escolas estaduais. Até lá, não adianta vociferar contra quem acusa o jornal de parcial e partidário.
    Campinas, 26 de março de 2010.

Deixe uma resposta