[…] esperando que alguém apanhe e complete a sua função de amor

.

Eu tava mexendo no violão, comecei a fazer a melodia e a primeira coisa que apareceu foi exatamente a cidade submersa, isolada de tudo. Cantarolando, parecia que a música queria dizer isso. Eu tinha que ir atrás depois, tinha que explicar a cidade submersa, tinha que explicar essa história. Apareceu a cidade submersa antes de qualquer outra coisa.

Aí eu coloquei esses escafandristas [que usam escafandros, aquelas roupas de mergulhadores] e esse amor adiado, esse amor que fica pra… pra sempre. Essa idéia do amor que existe como algo que pode ser aproveitado mais tarde. Que não se desperdiça. Passa-se o tempo, passam-se milênios e aquele amor vai ficar até debaixo d’água e vai ser usado por outras pessoas. Um amor que não foi utilizado, porque não foi correspondido, então ele fica ímpar, fica pairando ali, esperando que alguém apanhe e complete a sua função de amor.

Chico Buarque

Deixe uma resposta