De frente

Tenho estado a me recuperar

E ainda estou

De um tempo de rodas vivas

Todo dia, toda hora

Rodo agora num tempo interno

Existe também a frente interna

Há muitas frentes

Frente familiar

Frente poética

Eticamente

Sociologicamente

Tanto tenho rodado e voltei para o meu lugar

De onde nunca tinha saído

Assim nesta roda que roda

Voltei à minha infância

O carrossel do parque

Onde meu pai nos levava

A piscina do clube

Onde mamãe nos levava

As mobilizações que me trouxeram para onde estou

Tudo isto para dizer

Que agora pertenço a uma retaguarda viva

Uma outra linha de frente

Uma frente comunitária

Onde reponho meu senso de viver

Simplesmente viver

Apenas isto.

(É uma sensação nova

Surpreendente, gente!)

Deixe uma resposta