Da série “Saia correndo atrás das outras”

Bom, uma das resoluções deste ano foi escrever sobre bandas brasileiras desconhecidas, ou quase isso – quer dizer, quase desconhecidas, ou quase brasileiras, ou quase bandas – na esperança de que você, nobre leitor(a), ao ouvir uma música e um relato meu, saia correndo atrás das outras (músicas). Daí o nome genial da série, “Saia correndo atrás das outras“.

A banda “da hora” é o Premeditando o Breque, ou PremêPremeditando o Breque, ou Premê. “Surgiram” em 1976 na USP e participaram do movimento Vanguarda Paulista. As letras misturam fortes críticas sociais e políticas a elementos marcantes do groucho-marxismo. Eles têm algum blábláblá que você pode ler no wikipédia e, principalmente, clicando aqui (o texto é bem mais groucho-marxista), ou ainda no site oficial, um pouco desatualizado: www.preme.com.br.

“Abrigo nuclear”, segundo o Dicionário do Premê um “jingle apocalíptico” do Osvaldo Fagnani, é do último álbum, Premê Vivo (1996).

“Abrigo nuclear” (Premê)
(ouça abaixo, ou baixe aqui)

Agora você pode ficar livre disso!

Pense no futuro
O mundo pode acabar
Não viva inseguro
Com medo da hora H
Pois afinal chegou
O primeiro
Abrigo Nuclear

Venha conhecer
O primeiro condomínio
Com abrigo nuclear
Da América Latina
Venha morar com comodidade
Total segurança
À prova de roubo, fogo e radiação
Seu dinheiro aplicado
Mesmo depois do fim do mundo

Não se preocupe
Se vai dar prá comprar
Você tem a sua vida inteira
Para pagar

É pronta entrega
Até o ano 2000
Sauna, play ground, piscina com sol artificial
Todas as comodidades que você tem agora
Você terá no nosso edifício
Um recanto de sossego prá você e sua família
E deixe o mundo queimar à vontade lá fora
Venha já reservar seu lugar
No nosso abrigo nuclear

Abrigo nuclear, mais um empreendimento
Noé Seguros, milênios em garantia

Um comentário sobre “Da série “Saia correndo atrás das outras””

  1. muito criativo. nunca havia pensado nisso. pensei nas cias.imobiliárias americanas, ou quem sabe, fazer um som sobre um abrigo anti-bolha econômica.

Deixe uma resposta