Caros Amigos de julho nas bancas

Prezados (as),
Saudações.
A nova edição da Caros Amigos já está nas bancas. Olhe só o que destacamos.
A Grécia vive em estado de guerra. Não apenas nos confrontos nas ruas e nas bombas jogadas a esmo pela polícia, mas na luta para superar uma terrível crise econômica e encontrar outro modelo de organização da sociedade que permita melhores condições de vida – para todos. Em reportagem exclusiva, os enviados especiais da Caros Amigos contam quais são as principais batalhas dos gregos, hoje, e como eles estão ensaiando novas formas de fazer política.
Já o Paraguai, parceiro do Brasil no Mercosul, é vítima de um golpe – a destituição do presidente eleito Fernando Lugo – pela via do “Estado de Direito Democrático”, no qual a Constituição e os processos institucionais permitem às elites políticas, às oligarquias e às maiorias parlamentares, com respaldo do Judiciário, dirigir e mudar governos sem qualquer consulta ao povo e sem precisar recorrer à violência das Forças Armadas. Caros Amigos mostra o que está por trás do golpe no Paraguai.
Uma Grande Guerra está sendo travada pelo controle da internet e por tudo o que circula nas redes sociais, com confrontos não apenas no mundo virtual, mas com enorme interferência no mundo real. Nesse campo de batalha, o hackerativismo ganha a dimensão da luta de guerrilhas, seja para defender o livre acesso na circulação da informação ou para combater os ícones do sistema político-econômico dominante – em contraposição aos exércitos convencionais, com suas leis de controle e seus conteúdos comerciais. Reportagem da revista desvenda as interfaces dessa Grande Guerra – decisiva para o futuro da humanidade.
Caros Amigos vai fundo, também, na desmistificação do golpe do agronegócio: revela que a expansão da cana-de-açúcar no Mato Grosso do Sul, cantada em prosa e verso como sendo a fina flor do capitalismo brasileiro, não passa de um negócio de baixa produtividade, que só se sustenta sugando os recursos públicos, não distribui riqueza e, ainda por cima, explora a mão de obra indígena – a mais barata do Brasil.
Além de outras reportagens e artigos, a revista publica ótimas entrevistas: com os professores Heloísa Borsari e Cesar Augusto Minto, diretores da Adusp, que denunciam o império do autoritarismo na USP; com a economista Leda Paulani, que analisa a crise mundial; e com a economista Sandra Quintela, que faz um balanço da Cúpula dos Povos, realizada em junho no Rio de Janeiro.
É só conferir. Capa e Sumário nos anexos.
Hamilton Octavio de Souza
Editor
Participaram: Alexandre Bazzan, Aray Nabuco, Caio Zinet, Claudius, Eduardo Sá, Emir Sader, Fábio T. Pitta, Frei Betto, Gabriel Brito, Gabriela Moncau, Gershon Knispel, Gilberto Felisberto Vasconcellos, Guto Lacaz, João Pedro Stedile, Joel Rufino dos Santos, José Arbex Jr., Marcos Bagno, Maria Luísa Mendonça, Mário Augusto Jakobskind, Mc Leonardo, Otaviano Helene, Otávio Nagoya, Paulo César Lima, Pedro Alexandre Sanches, Raquel Júnia, Renato Pompeu, Sérgio Vaz, Tatiana Merlino, Valéria Nader.

Deixe uma resposta