BRADLEY MANNING: VÍTIMA DO FASCISMO AMERICANO

Bradley Manning:

Vítima do Fascismo Americano

Carlos Alberto Lungarzo

Prof. Tit. (r) Univ. Est. Campinas, SP, Br.

27 de agosto de 2012

[The military have been] given a large brain by mistake, since for him the spinal cord would fully suffice.

[Os militares têm] recebido um grande cérebro por engano, já que para eles teria sido suficiente uma coluna vertebral.

Albert Einstein, físico e matemático alemão [1879-1955], prêmio Nobel, considerado um dos três maiores cientistas do século 20.

Poucas pessoas no Brasil se têm preocupado com o drama do jovem americano Bradley Manning, salvo, que eu saiba, o escritor Celso Lungaretti, que lhe dedicou vários artigos em seus blogs. Que me lembre, ele escreveu três artigos, mas pode haver outros que não lembro agora (Vide)

Manning está preso numa horrenda masmorra dos EEUU por um delito que, numa sociedade sadia e pacífica seria considerado uma honra: ter ajudado a Wikileaks a difundir a verdade sobre os crimes de guerra, assassinatos de civis, massacres de pessoas indefesas e outras violações praticadas pelos invasores americanos em Iraque.

Em realidade, sua participação nos vazamentos de Wikileaks não tem sido provada, mas esse argumento é irrelevante para sua defesa. Se ele não vazou essas informações, é uma vítima. Se ele vazou essas informações, é um herói.

Em ambos os casos merece o maior respeito e a maior solidariedade de todas as pessoas que se consideram humanas, pacifistas e inimigas de qualquer forma de fascismo, já que o fascismo é um tipo de ação política e pode estar representado em qualquer país, e falar em qualquer língua.

Quem é Manning?

Bradley Edward Manning, nascido em 1987 é um soldado do exército americano que foi preso em maio de 2010, em Iraque. Ele foi acusado de ter passado material militar sigiloso a Wilkileaks. O Pentágono o acusa de numerosos atos, que na gíria militar são “crimes”: ter dado informação sobre a defesa dos EEUU a uma fonte externa (ou seja, Wikileaks) e ajudar o inimigo.

No jargão belicista isto se chama “traição”, pois as castas militares supõem que qualquer que não compartilhe suas idéias e encubra seus crimes, viola certo compromisso fetichista entre o cidadão e o exército. Ou seja, pelo fato de ter nascido num lugar e por estar numa instituição, eles acham que a pessoa deve obediência cega, acima da sua própria moral e consciência.

Não obstante, neste caso, o promotor diz não estar propondo a pena de morte para Manning, mas “apenas” 52 anos de prisão.

Os seguintes dados estão tomados do site de Anistia Internacional, que faz uma campanha pelo trato justo para Manning. (Vide)

Manning é mantido durante 22 horas por dia, numa cela solitária, sem travesseiro, lençóis nem objetos pessoais desde Julho de 2010.

Anistia escreveu ao secretário de defesa dos Estados Unidos, Robert Gates, pedindo que Manning seja objeto de um trato humano. Nos dias seguintes, ele sofreu restrições e penalidades ainda maiores.

Com o pretexto de que ele está em risco de suicídio foi despossuído das roupas externas e de seus óculos, que são imprescindíveis por causa de sua alta miopia.

Estas restrições foram eliminadas pouco depois, mas ele é ainda considerado como detento de máxima custódia, apesar de não ter qualquer antecedente de violência. Durante as visitas, ele é algemado nos pulsos e nos tornozelos, uma praxe cruel e sádica, sendo que ninguém consegue fugir o rebelar-se numa prisão de alta segurança, muito menos fazer refém uma visita.

O governo americano está colocando em risco sua saúde mental, pois cada 5 minutos o pessoal de custódia olha para ele através da janela de sua cela, e controla as barras do xadrez mesmo quando está dormindo.

Os advogados de Manning dizem que todas suas reclamações são ignoradas pelas autoridades.

Brasil deve Ajudar Manning

Há alguns meses, uma comissão do Senado Brasileiro enviou um pedido de liberdade para os cinco cidadãos cubanos que estavam presos nos EEUU, por supostas acusações de espionagem.

Em 22/03/2012, o Senador Eduardo Suplicy, sempre preocupado pelos direitos humanos, requereu que a Comissão de Relações Exteriores do Senado Brasileiro, se manifestasse contra o bloqueio a Cuba (que foi aprovado), e a soltura dos presos políticos cubanos (que, nessa, fase no foi aprovado por  um voto de diferença).

O mais semelhante ao caso de Manning é o pedido de soltura dos cinco prisioneiros cubanos falsamente acusados de espionagem, que também foi proposta de Suplicy e foi aprovado pela Comissão.

Observe-se o seguinte:

O Caso de Manning e dos Cinco Cubanos coincidem em que:

  1. 1.     Em ambos os casos, as pessoas punidas agiram de maneira pacífica, procurando ou difundindo informação para evitar novos abusos dos EEUU sobre outros povos.
  2. 2.     Em ambos os casos, as pessoas foram detidas sem respeito e seus direitos humanos, e sem que tivessem cometido nenhuma transgressão ao direito natural.

Mas há também algumas diferenças:

  1. 1.     Os Cinco Cubanos fazem um grande benefício ao povo de seu país, protegendo-o de novos ataques americanos e, por reflexo, beneficiam toda América Latina. O esforço de Manning tem maior alcance, pois ele está ajudando a Wikileaks, cujo objetivo é a denúncia do imperialismo em todas as partes do mundo.
  2. 2.     As prisões americanas são centro de tortura e barbárie, controladas por funcionários sádicos e psicopatas, mas, mesmo assim, há diferenças de grau. Manning, por ser americano, é considerado pelos EEUU como um traidor, o que aumenta muito o ódio dos militares, que consideram imutáveis os laços de solo e sangre. Por isso, Manning é tratado com mais brutalidade ainda que os Cinco Cubanos.

Embora o sofrimento destas pessoas possam apresentar diferenças, não há motivo para defender uns e não outros.

POR TANTO, FAÇO UM FORTE APELO AO PARLAMENTO BRASILEIRO PARA APRESENTAR UM PEDIDO AO CONGRESSO AMERICANO em favor de MANNING ONDE SE SOLICITE:

  1. 1.     Colocar Manning em liberdade, ou então, mostrar claramente qual é a acusação. Fazer notar ao governo americano que a prisão de Manning está em contradição com a Primeira Emenda Constitucional, que diz:

 

Congress shall make no law respecting an establishment of religion, or prohibiting the free exercise thereof; or abridging the freedom of speech, or of the press; or the right of the people peaceably to assemble, and to petition the Government for a redress of grievances.

O congresso não deve fazer leis a respeito de se estabelecer uma religião, ou proibir o seu livre exercício; ou diminuir a liberdade de expressão, ou da imprensa; ou sobre o direito das pessoas de se reunirem pacificamente, e de fazerem pedidos ao governo para que sejam feitas reparações por ofensas.

  1. 2.     Durante o tempo que ele continue preso, transferi-lo a uma prisão normal e dar-lhe todos os direitos de um detento não acusado, como trabalhar na prisão, estudar, escrever, poder mover-se livremente em seu interior, socializar-se com outras pessoas, não ser algemado, não ser especialmente vigiado, etc.

Deixe uma resposta