Algumas perguntas inconvenientes sobre a violência no Rio:

1 – Se, após perder território, o tráfico está paralisando o estado, o que aconteceria se fossem tirados territórios das milícias – o verdadeiro crime organizado?
2 – Quanto a Globo já lucrou com os últimos acontecimentos? Por quanto ela vendeu 1 minuto de imagens para as agências internacionais? Quanto lucrou a Taurus e outras indústrias armamentistas? Até onde a violência urbana carioca é um negócio lucrativo que não pode acabar?
3 – A solução é UPP? Atualmente, as UPPs estão em 2% das favelas cariocas – na maioria pequenas – e consomem 1,5% dos efetivos policiais. Se as UPPs fossem levadas a todas as comunidades exigiria mais de 100% do efetivo policial hoje existente, e que também tem como atribuição cobrir o restante do estado do Rio.
4 – Por que as UPPs começaram pela Zona Sul e Maracanã e não pelas áreas onde os índices de criminalidade são mais elevados?
5 – Por que nenhuma UPP foi instalada em área de milícia?
6 – Por que todo mundo sabe como morreu o filho de Ciça Guimarães, e ninguém sabe como morreu Rosângela Barbosa de 14 anos?
7 – Se a maconha e outras drogas já fazem parte dos processos culturais da sociedade brasileira, e é irreal pensar no fim do consumo, porque a legalização não está em debate?
8 – Parte da classe média carioca pede o extermínio da população favelada. Essas mesmas pessoas seriam capazes de viver um dia sem os serviços prestados por essa população? Lavariam suas próprias roupas intimas; fariam sua própria comida…?
(*) Perguntas feitas via Facebook por Eduardo Albergaria.

11 comentários sobre “Algumas perguntas inconvenientes sobre a violência no Rio:”

  1. Pingback: Tweets that mention :: Fazendo Media: a média que a mídia faz :: » Algumas perguntas inconvenientes sobre a violência no Rio: -- Topsy.com

  2. São muitas perguntas sem resposta; só Jesus nesta causa! Perdi 2 (DOIS) garotos na chacina do Andarai/2005 e até hj luto p conseguir abrir um processo; e eles nem moravam no Rio! estavam na casa de 1 parente… por que o filho da Cissa Guimarães é TÃO importante assim??? E os outros jovens não? Por que se mata tanto no Rio, ou no Brasil? Por que deixamos as coisas chegarem a este ponto?????

  3. É nessas horas que vemos a força que a grande mídia ainda tem.Essas perguntas não passam pela cabeça de grande parte das pessoas porque a TV já “explicou” que as UPPs são a solução salvadora para o terrorismo dos traficantes.O_o

  4. Sou acadêmica de Serviço Social, pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (Paraná). O problema que o Rio está enfrentando reflete no país todo com repercussões diferentes, a mídia massificadora idealiza a operação de políciais e das forças armadas apontando a comunidade satisfeita, a classe alta satisfeita…
    Será que a sociedade precisava chegar ao ponto de uma guerra entre civis e militares, do sistema contra o poder paralelo ou isso poderia ser evitado se os interesses econômicos e políticos fossem voltados para o bem-estar social?
    E até que ponto as pessoas vão cegar os olhos e aplaudir essa chacina, como quem vê Tropa de Elite no “Jornal Nacional”?

  5. Uma coisa eu sei .. do jeito que tava.. é que não dava pra ficar..
    Discutir o começo de tudo isso.. desigualdade social .. falta de políticas sociais .. concentração de poder e riqueza..
    Não temos como voltar atrás.. agora oque precisa é da implatação tardia dessas políticas sociais e de segurança.. não dá pra voltar atrás e fazer um novo começo .. mas podemos ter um novo fim .
    Então ao invés de ficar chorando o leite derramoado.. teriamos de lutar pra mudar o “sistema”.. ou ao menos melhora-lo .. tirar algo de bom de toda essa barbarie..

  6. ”É, a culpa é da classe média e o pessoal da favela só serve para lavar roupa.
    É preconceito contra todas as classes.”
    O texto critica a violencia que ”parte da classe média” apresenta ao cobrar simplesmente pela morte dos ”marginais”, em nenhum momento o autor afirma que a culpa é de uma determinada classe.
    Quanto ao outro caso, ele apenas cita alguns exemplos das tarefas que essas pessoas ocupam, que sao na maioria da vezes, serviços que exigem pouca qualificaçao.

  7. Porque a classe média se acha tão importante assim? Seres humanos superiores? Acham que detém o poder sobre a vida de jovens? Não foi leite derramado não; foi SANGUE mesmo! Só em carne própria? Esse mundo tá 1 nojo mesmo…

Deixe uma resposta