Homilia do Papa Francisco, durante a missa de ordenação presbiterial de dez diáconos

Irmãos caríssimos! Estes nossos filhos foram chamados à Ordem do Presbiterado. Vamos refletir sobre a que ministério eles serão promovidos, na Igreja.

Como vocês bem sabem, irmão, o Senhor Jesus é o único Sumo Sacerdote do Novo Testamento, mas também nEle todo o povo santo de Deus e foi constituído povo sacerdotal. Não obstante, dentre todos os Seus discípulos, o Senhor Jesus quer escolher alguns, em particular, para que exerçam publicamente na Igreja, em Seu nome, o ofício sacerdotal, em favor de todos os homens, continuassem Sua missão pessoal de Mestre, Sacerdote e Pastor. Foran chamados pelo Senhor Jesus, não para fazerem carreira, mas para fazerem este serviço.

Como, de fato, para isto Ele fora enviado pelo Pai, assim também Ele, por Sua vez, enviou primeiro os Apóstolos, depois os Bispos e seus sucessores, aos quais, enfim, foram dados como colaboradores os Presbíteros, que a eles unidos no ministério sacerdotal, são chamados ao serviço do Povo de Deus.
Após amadurecida reflexão e oração, agora estamos promovendo à Ordem dos Presbíteros estes nossos irmãos, para que a serviço de Cristo Mestre, Sacerdote, Pastor, colaborem para a edificação do Corpo de Cristo que é a Igreja no Povo de Deus e no Templo santo do Espírito Santo

Com efeito, eles estarão configurados a Cristo Sumo e Eterno Sacerdote. Serão consagrados como verdadeiros sacerdotes do Novo Testamento, e a este título, que os mescla no sacerdócio ao seu Bispo, serão pregadores do Evangelho, Pastores do Povo de Deus, e presidirão às ações de culto, especialmente na celebração do Sacrifício do Senhor.

Quanto a vocês, filhos e irmãos diletíssimos, que estão prestes a serem promovidos à Ordem do Presbiterado, considerem que, ao exercerem o ministério da Santa Doutrina, vocês são partícipes da Missão de Cristo, único Mestre. Levem a todos a Palavra de Deus, que vocês mesmos receberam com alegria, desde crianças, Leiam e meditem assiduamente a Palavra do Senhor, a fun de crerem no que leram, a fim de ensinarem o que apreenderam na fé, a fim de viverem o que ensinaram.

Que o seu ensinamento seja, portanto, alimento para o Povo de Deus, simples como falava o Senhor, que chegava ao coração. Não façam homilias demasiado intelectuais e sofisticadas. Falem de maneira simples, falem ao coração. Aí, esta pregação será verdadeiro alimento. E que também sirva de alegria e sustento para os fiéis o perfume de sua vida, porque a palavra sem o exemplo da vida não serve: é melhor dar maia volta… a vida de duplicidade é uma doença terrível, na Igreja.

Reconheçam, pois, o que estão fazendo. Imitem o que celebram, porque, ao participarem do mistério da morte e ressurreição do Senor, vocês carregam em seus membros a morte de Cristo, e com Ele caminham, na novidade da vida. Um presbítero que tenha estudado talvez muita teologia e tenha obtivo uma, duas ou três láureas, mas não aprendeu a carregar a cruz de Crito, não serve. Será um bom acadêmico, um bom professor,mas não um bom sacerdote.

Com o Batismo, vocês vão agregar novos fiéis ao Povo de Deus. Pelo Sacramento da Penitência, vocês vão perdoar os pecados, em nome de Cristo e em nome da Igreja. Peço-lhes, por favor, em nome de Cristo e da Igreja: sejam misericordiosos, não sobrecarreguem os ombros dos fiéis, de pesos que eles não podem carregar. Nem vocês, também. Foi por isto que Jeus repreendeu os doutores da Lei, e os chamou de hipócritas. Com os santos óleos, aliviem os enfermos.

Um dos deveres – talvez incômodo e doloroso – é ir ao encontro dos doentes. Mas, vocês façam isto. Sim, está bem que até eles vão os fiéis leigos, os diáconos,mas não deixem de tocar a carne de Cristo sofredor nos doentes: isto santifica vocês, e os aproxima de Cristo. Ao celebrarem os ritos sagrados, e elevando, nas várias horas do dia, a oração de louvor e de súplica, vocês serão a voz do Povo de Deus e de toda a humanidade.

Conscientes de terem sido escolhidos entre os homens, e constituídos em favor deles, à espera dàs coisas de Deus, exerçam, com alegria e sincera caridade, a obra sacerdotal de Cristo. Sejam alegres, nunca tristes. Alegres! Com a alegria do serviço de Cristo, mesmo em meio aos sofrimentos, às incompreensões, aos próprios pecados. Tenham sempre diante dos seus olhos o exemplo do Bom Pastor, que não veio para ser servido, mas para servir. Por favor, não sejam “senhores”, não sejam “clérigos de Estado”, mas pastores. Pastores do Povo de Deus.

https://www.youtube.com/watch?v=F4EtdIyEzt0
(Do minuto 34:20 ao minuto 44:18)
Trad.: AJFC

(07-05-2017)

Deixe uma resposta