Categorias
Mundo

“Se, para entrar no Conselho de Segurança, é preciso ser subserviente, é preferível não entrar”

A frase, do ministro brasileiro Celso Amorim, foi em resposta ao questionamento de um espécime brasileiro de jornalista – o papagaio norte-americano – quanto à pretensão do Brasil de ser um membro permanente do Conselho de Segurança e se isso não “atrapalharia a relação com os EUA”.

Sair da versão mobile