Sobre mídia, política e amor

A tragédia que desabou nesta segunda-feira (5) no Rio de Janeiro não é apenas uma manifestação da natureza e sua força devastadora, indomável e por vezes incompreensível. É também a revelação do caráter criminoso de sucessivas administrações públicas voltadas para o enriquecimento privado…

1) A tragédia que desabou nesta segunda-feira (5) no Rio de Janeiro não é apenas uma manifestação da natureza e sua força devastadora, indomável e por vezes incompreensível. É também a revelação do caráter criminoso de sucessivas administrações públicas voltadas para o enriquecimento privado. A história dos governos estaduais do Rio é uma história de crimes contra o povo. À exceção de Brizola, nenhum outro governante se preocupou, nos últimos 30 anos, em priorizar o uso da máquina pública para o seu dono verdadeiro, que é o conjunto da sociedade. O mesmo vale para os prefeitos da capital, que nos últimos 20 anos pertenceram, e ainda pertencem, ao escopo neoliberal PSDB-DEM-PMDB. Eduardo Paes, que já passou por esses três partidos, é o melhor resumo dessa história. Ele declarou à imprensa que a Prefeitura não tem responsabilidade, a culpa é do excesso de chuva. No morro da Mangueira, os cidadãos que durante o carnaval alegram a cidade, o país e boa parte do mundo, receberam o singelo aviso desses governantes: “Deixem suas casas”. Em Niterói, onde casas esfarelaram, avenidas inteiras ficaram intransitáveis e cidadãos levaram até 12 horas para irem do trabalho à casa, quem manda é a Patrimóvel. Essa elege prefeitos, controla vereadores e comercializa imóveis. Quanto mais arranha-céus na cidade, mais nas alturas vão as contas bancárias de seus donos. Em compensação, mais o sistema de esgoto é sobrecarregado, mais automóveis entopem as ruas, mais lixo é produzido e mais graves são as conseqüências de tragédias como a deste terrível 5 de abril, que já levou a vida de mais de 70 seres humanos.
1.1) Da Agência Brasil: “Ações de prevenção poderiam impedir prejuízos causados pelas chuvas, diz especialista”. Leia aqui.
2) “Dilma Rousseff: ‘Tem falsos cordeiros dizendo que vão continuar tudo que está bom. São falsos … Dizem que vão continuar com o governo Lula, mas como, se passaram sete anos criticando? Eles são anti-Lula’. Sergio Guerra, coordenador de campanha de Serra: ‘Se ganharmos, agiremos rápida e objetivamente. A forma de fazer será discutida no momento adequado… O PAC não se realizou….– e nós vamos acabar com ele”. (Editorial da Carta Maior, em 6/4, com informações Globo e Veja; 06-04).
3) Trecho do artigo “A Globo e a ditadura, segundo Walter Clark”, artigo de Argemiro Ferreira publicado na Carta Maior (íntegra aqui): “O livro ‘O Campeão de Audiência’ é uma contribuição importante para a compreensão das relações muito especiais entre a TV Globo e o regime militar à sombra do qual floresceu. Além disso, mostra como o jogo de cumplicidade com o regime confundia-se com a luta interna pelo poder dentro da Globo, arbitrada por Roberto Marinho e envolvendo não apenas Clark e Boni, mas também o segundo escalão – Joe Wallach, Arce (José Ulisses Alvarez Arce) e, em especial, o diretor de jornalismo Armando Nogueira. O artigo é de Argemiro Ferreira”.
4) A primeira matéria do CQC desta segunda-feira (5) foi sobre o Congresso Nacional. O apresentador berrava o grito fácil da eterna criminalização da política. “Temos o pior Congresso do mundo!”. Até aí, sem novidades. As corporações de mídia agem assim desde sempre, com o único objetivo de manter fraco o poder público para que o privado seja favorecido. O curioso é que ele, o apresentador, ainda acredita que, com esse programa, está fazendo um grande favor para a sociedade.
5) Para Fernanda: Por qualquer ângulo que se olhe, o que espanta é sua beleza. Você até pode ter ficado assustada com a chuva, e sua expressão pode até ter acompanhado o sentimento, mas só alguém muito observador, ou tonto, deixaria que sua infinita expressão de beleza fosse suplantada, mesmo que por um único segundo. Eu, daqui de longe, consigo ver, e mais, consigo sentir toda a sua beleza, que não se trata apenas do contorno suave da face ou do corpo, dos traços perfeitos, do sorriso acolhedor. Não. Estou falando da beleza completa, da mulher completa, dos pés à cabeça, da pele à alma, da dor ao amor. Sua beleza é tanta, querida, que só de pensar em você eu me sinto feliz.

4 respostas em “Sobre mídia, política e amor”

infelizmente o Brasil tá zero em Administradores competentes e “-0” em mídia de qualidade, os nossos canais de TV, Rádios e Jornais tem interesses questionaveis.
ex.:
Globo – Tem cunho politico, todas as reportagem tem fins de glorificar os tucanos.
Record – Tem cunho religioso, o foco e santificar Edi Macedo e sua gangue.
SBT – Tem fins Capitalista.
e por ai vai o resto…
acredite, nem informação de qualidade esse pais tem…
Parabéns pelo site fazendomedia, é uma referencia de opiniao séria…

marcelo querido
minha solidariedade a todo o povo de niterói, especialmente vc que mora nessa cidade tão bonita e maltratada por esses governantes.
infelizmente vc escreveu esse texto antes do pior acontecer. te enviei um relato de um amigo meu, se puder publique. vamos fazer do FM um local para nao esquecermos essa tragédia e cobrar dos responsáveis providências imediatas e definitivas

Deixe uma resposta