Categorias
Cidadania Cultura Terapia Comunitária Integrativa

Resistência pessoal e comunitária

Temos denunciado desde estas páginas a minuciosa e perversa tarefa de desmonte da cidadania, de quebra da coesão social, anunciada e executada desde que Aécio Neves anunciou em 2013, que iriam tirar o PT do governo. O golpe foi dado em 2016, eleições viciadas em 2018, e agora o que está aí. Um genocídio em andamento.

No entanto, a cidadania continua a resistir. Ações envolvendo movimentos e entidades de base, preservando a vida, a saúde, a educação, a arte e a cultura. Dentre estas ações cidadãs de caráter humanitário, destacamos a Terapia Comunitária Integrativa.

A TCI on line ganhou forte impulso, expansão e enraizamento como uma prática afirmativa dos Direitos Humanos. Na TCI os DDHH são praticados, não apregoados. As pessoas são tratadas como tais, independentemente da sua etnia, nível socioeconômico, orientação sexual, religião, etc.

Aqui se reforça a autoestima, se constroem vínculos solidários positivos, se potenciam a fé e a esperança ativas, como motores da sustentação da vida ameaçada pelos sistemas opressivos e excludentes.

Não doutrinamos ninguém, não damos conselhos nem pretendemos dizer como a pessoa deva agir. Apenas potenciamos a força resiliente, reativamos a memória, reforçamos coletivamente o direito da pessoa ser quem ela é, do seu jeito único e singular.

Desta maneira, reconstruímos interiormente e comunitariamente, aquilo que vêm sendo destruído de cima para baixo. A libertação consiste exatamente nisto, que juntos e juntas podemos resistir e resistimos. Não pode ser destruído um povo consciente e ativo. Mais além das instituições, e também no meio delas, age uma força invencível.

Os valores constitutivos da pessoa e da coletividade mostram sua efetividade. Os direitos laborais também são redimidos por esta prática libertadora: o voluntariado assume a dimensão de uma ação comunitária em prol do bem comum e da justiça. Além do salário monetário, precisamos do salário afetivo.

Convidamos nossas leitoras e leitores a nos fazerem chegar os seus relatos de experiência. Vamos fortalecer este mutirão pela vida e a saúde!

Deixe uma resposta Cancelar resposta