Categorias
Opinião

Primeiro debate eleitoral no Rio – rapidinhas

Abaixo o resumo das ‘tuitadas’ feitas por meio do @GustavoBarreto_ sobre o primeiro debate na TV para as eleições municipais do Rio de Janeiro. Participaram Aspásia Camargo (PV), Eduardo Paes (Coligação Somos Um Montão de Partidos), Marcelo Freixo (PSOL/PCB), Otávio Leite (PSDB) e Rodrigo Maia (DEM, cuja vice é do PR, Clarissa Garotinho).

MOMENTO ESTADISTA. Otavio Leite disse que, assim como JK, multiplicará cada ano por 10.

Antes, pediu, ao melhor estilo Pelé: “Procure saber sobre a vida de Otávio Leite”.

MÃE PAES. O atual prefeito afirmou que “cuidou dos cariocas”.

‘GELÉIA’ ELEITORAL. Freixo terminou o debate que cidade precisa de um debate democrático sobre questões-chave. Ele lembra que há eleições para vereador.

O seu partido, o PSOL, não é a “geléia” que são outros partidos. Foi o único que citou o seu vice, Marcelo Yuka.

Classificou ainda as alianças do PDMB como “espúrias” e disse que vai governar com a sociedade.

MULHERES NO PODER. Aspásia joga na cara dos candidatos que é a única mulher do debate e a apresentadora – outra mulher – corta: “SEU TEMPO ACABOU, ACABOU”.

BOMBA! Aspásia disse que somos a quinta economia do mundo! Quer dizer: Passamos a França!

PROZAC. “Paes: ‘Essa cidade passou muito tempo deprimida. Agora está dopada.” (@ericmacedo)

LONGA FICHA. Maia quis falar sobre a história dele. Disse que está em Brasília há quatro mandatos. Fim.

NOVO OLHAR. Paes disse que o Rio “parou de olhar pra trás”. Agora olha só pro lado, pros amigos, parceirões.

ACUSAÇÃO. Otávio Leite lembrou que promessas de campanha deveriam ser cumpridas por lei – é um projeto dele, segundo ele. Leite lembra que Paes disse que não ia criar taxas e criou uma, de iluminação pública.

MOMENTO REGINA DUARTE. Maia disse que vai criar o “Aliança pela Vida”, contra o crack e as drogas, junto com as igrejas, no dia 1o de janeiro. Feriado – vão receber dobrado.

MOMENTO CONFUSÃO [1]. Aspásia Camargo: “Taxistas precisam de pontos de apoio e não sabemos exatamente o que fazer, não podem ficar rodando por aí, muitas vezes vazios, precisamos ouvi-los porque eles conhecem.”

Se a pergunta pra Aspásia fosse sobre motorista particular, ela ia responder direitinho.

MOMENTO CONFUSÃO [2]. Otávio Leite quer que catadores de papel, não, digo, de resíduos catem também plásticos e organizem a cadeia de reciclagem melhor.

GRANDE DAVID. Ao responder pergunta do professor e ambientalista David Zee, Otávio Leite destacou sua biografia durante um terço do tempo da resposta.

COMO MELHORAR AS CALÇADAS? Otávio Leite acredita que, começando pelo mensalão, a gente chega lá. Foi assim que começou sua fala, respondendo a esta pergunta.

Aí Freixo alfinetou: “Acho que devemos investigar vários mensalões – também o do DEM, do PSDB…”

ASPASITADAS [1]. “Precisamos repensar a Comlurb. Inclusive, os funcionários da Comlurb são, muitos deles, competentes.”

ASPASITADAS [2]. “Temos hospitais demais no Rio e profissionais de menos.”

E disse, pouco antes: “A rede de saúde no Rio tem três cabeças que não se comunicam” – mas Dilmão, Serginho e Dudu se dão tão bem…

Edmilson Migowski, um respeitado profissional da área médica da UFRJ, foi autor da pergunta sobre a falta de pediatras. Freixo diz que esse é um problema nacional, “temos de ser honestos”. No entanto, alfinetou: “Aqui faltam pediatras, mas falta todo o resto também. Paes deixou de investir 1,5 bilhão no setor”.

MOMENTO DELÍRIO. “Eu tenho orgulho da educação carioca” – PAES, Eduardo.

NERD DO DEM. Rodrigo Maia parecia um internauta repetindo as manchetes mais bombásticas do Facebook.

GRAVE PROBLEMA. Um das primeiras questões de Freixo não foi respondida por Paes. “Tá caro viver no Rio, e o pior: não temos o retorno do que pagamos. Por que você insiste no modelo rodoviário?”.

Além disso, o programa ‘Morar Carioca’ tem a ver com a melhoria da região – e só! Com evidente aumento dos preços e expulsão dos pobres. Afinal, é a Prefeitura que faz política de moradia.

INDIRETA. Freixo lembrou que Eduardo Paes elogiava as milícias como um mal necessário.

‏@SergioSantosoff completa: “Em Campo Grande quem domina as vans é a milícia. Eduardo Paes sabe e nada faz. Nem planejar combate com o Estado faz.”

Milicias começaram, aliás, na gestão César Maia – seu filho disse no debate que “transportes devem estar com o governo, e não com as milícias”.

ACUADO. Sem ser questionado, Paes se defendeu dizendo que a licença para vans sempre foi individual – o que é mentira, as cooperativas dominavam esquemas criminosos e ele sabia disso desde 2008, oficialmente.

CARTÉIS DO TRANSPORTE. Eduardo Paes ficou sem resposta sobre cartéis de ônibus e licitação de cooperativas de vans…

Freixo o questionou e soltou: “Eu entreguei o relatório da CPI das Milícias nas suas mãos e disse: faça licitação das vans individualmente e você não fez.”

Paes se defendeu, no caso dos ônibus: “Nunca foi feita licitação. Agora quatro consórcios assumem os ônibus.”

Freixo lembrou: “Na licitação que você fez em 2010 o Tribunal de Contas viu indícios de formação de cartel”. Todas as empresas que ganharam eram, digamos, muito parecidas – e tinham o mesmo endereço.

Um leitor do Méier pediu medidas da Zona Sul por lá. Freixo disparou: “Transporte alternativo deixou de ter esse nome porque em muitos bairros é o único que tem, não é mais alternativa.”

E concluiu: “O Sistema BRS diminuiu o número de ônibus, mas a passagem só aumenta. Mostra a submissão aos interesses econômicos.”

CRUZADO DE ESQUERDA. “Ônibus não é transporte de massa em lugar nenhum do mundo. Você sabe disso, vocês viajam muito no PMDB.” – Marcelo Freixo para Eduardo Paes.

NOVAS IDEIAS. Maia quer integrar o Méier à Tijuca, caso eleito. É só pegar o 217 ou o 232, ué?

SEGURANÇA EM QUESTÃO. “O que faz uma sociedade segura é um conjunto de direitos, uma responsabilidade municipal”, disse Marcelo Freixo.

CULTURA NÃO É MERCADORIA. “Política de cultura é diferente de política de espetáculo, a cidadania de aplausos. É preciso participação”, diz Freixo. “A educação precisa se aproximar da cultura. Precisamos sair da lógica comercial”, completou.

TEMA IGNORADO. A pergunta de Ricardo Cravo Albin feita a Rodrigo Maia foi completamente ignorada. “O caso do Canecão é grave e de instância federal”. Ele deixou de lado o tema e voltou a falar sobre juventude, aquela da tradição…

FAMÍLIA, TRADIÇÃO E PROPRIEDADE. Maia: “Precisamos valorizar a família” – A família dele por exemplo, que esteve tão valorizada por 16 anos, precisa voltar a reinar!

DELÍRIO TROPICAL. “Prefeitura do Rio recuperou salário do magistério”, disse Paes – Exato, pegou pra si – tudo recuperado, investido em empreiteiras.

Paes aproveitou para destacar fim da aprovação automática nas escolas, em uma menção à medida oposta da gestão de César Maia.

ESPÍRITO OLÍMPICO. Otávio Leite quer mais educação infantil para que os alunos cheguem com “musculatura” mais à frente.

Gabriel O Pensador havia feito a pergunta básica sobre educação e Otávio conseguiu dizer o impossível – “Educação é tudo”.

RECADO PARA VOTAR BEM. Rodrigo Maia sugeriu a prevenção como estratégia no combate às drogas. Ouviu, galera?!

‘ATÉ RECIFE!’ Aspásia Camargo disse que os jovens precisam de empregos. 70% da nossa população não tem o Ensino Fundamental completo, disse ela. “Queremos a economia do petróleo e da CSA, ou uma outra economia? Estamos dando dinheiro pra uns e tirando de outros”

Tava indo bem, até que disse, em uma referência às empresas de tecnologia da informação, a tal economia limpa: “Até a cidade de Recife está ganhando essa disputa!”

PRESENTINHO. Rodrigo Maia disse que vai dar, se eleito, um Instituto pra Clarissa Garotinho de presente.

PERGUNTAR NÃO OFENDE. César Maia diz que duas palavras definem o Rio: sustentabilidade e prevenção. Será que ele é a favor da camisinha?

GÊNIO DA LÂMPADA. Otávio Leite se colocou contrário à derrubada da Perimetral, ali na Praça XV, porque “vai se gastar três Cidades da Música”.

Aí ele soltou: “Vai se gerar transtorno pras pessoas que hoje estão engarrafadas”.

Um absurdo mesmo a derrubada da Perimetral. Derrubar o IASERJ tudo bem – melhor não falar sobre isso…

GRANDES IDEIAS. Otávio Leite, pra resolver de vez o problema da saúde, vai chamar toda as Faculdades de Medicina para “dentro da rede de saúde” – seremos tratados somente por estagiários.

MELHORES MOMENTOS. As melhores opiniões são as do tipo: “O que você acha que deveria ser feito em relação ao ACABOU O TEMPO, CANDIDATO, ACABOU”.

MOMENTO DELÍRIO TROPICAL. Otávio Leite, inspirado: “Vamos licitar internacionalmente a Cidade da Música e com o dinheiro abrir um centro de cultura popular na Zona Oeste”.

ÓBVIO! “Já que vem a Copa e as Olimpíadas, a gente vai estimular a cultura” – estratégia frequente de Paes: a esquizofrenia.

JOGANDO UM VERDE. Paes falou meio torto sobre os servidores como seus parceirões – os que mais odeiam ele. Índice baixíssimo de aprovação.

ALIÁS. O Educopédia, sistema educacional online da Prefeitura, não está disponível para nenhum professor que eu conheço. Limitadíssimo.

EDUCAÇÃO NA BERLINDA. “Professores não têm plano de cargos e salários – é o mínimo que se faz. Paga-se 1.100 reais, desde quando isso é digno?”, disse Marcelo Freixo, que é professor e tem mãe e pai ex-profissionais da área. Ele disparou para Paes: “Você só pensa em números porque não conhece a educação”.

TRUCULÊNCIA. Paes falou da abertura do Parque de Madureira, divertidíssimo – o único problema é a Guarda Municipal.

SIMBÓLICO. “O Rio de Janeiro tem o maior número de casos de tuberculose”, disse um candidato – aí nesse momento a apresentadora dá uma tossidinha, pra ilustrar o problema.

PROBLEMA ANTIGO. Rodrigo Maia, pensando no seu velho pai, lembrou o que queria perguntar pro Freixo, depois de um estranho esquecimento logo no primeiro bloco – gastos abusivos com propaganda.

Freixo lembrou que o aumento de verba de publicidade do Rio de Janeiro foi de 13.700%, chegando a R$ 90 milhões – isso na pior capital na área de saúde.

NOVAS IDEIAS. Rodrigo Maia: “Otávio, você sempre traz boas ideias pro debate”. Otávio havia conjecturado sobre uma ideia interessantíssima, “saúde”. Nesse momento, curiosamente, minha rinite recomeçou.

NOVOS CONCEITOS. Otávio Leite quer implementar o “PIB verde”, que na explicação dele é igual a “conservacionismo”. Oi?

A CEDAE, aliás, não tem dinheiro porque não consegue “captar recursos no mercado”, afirmou Aspásia. Ela esqueceu de informar que a CEDAE (ainda) é pública e poderia receber mais recursos… públicos!

CUMPADIS. Otávio, Paes e Aspásia tudo parceirão, se sentindo num coquetel quando se dirigiam uns aos outros.

Aspásia chegou a introduzir uma pergunta para Otávio da seguinte forma: “Fico muito feliz de fazer uma pergunta pro Otávio, que sei que ele sabe muito bem a resposta”.

Já teve gente maldosa chamando o candidato tucano de Otávio Café com Leite…

MEIO AMBIENTE NO DOS OUTROS… Paes, pra falar bem do Rio, citou Seropédica e Duque de Caxias. Mais um minuto de tempo e ele citaria Paris, Londres, Tóquio…

Já Aspásia criticou a Comlurb, que considera resistente à coleta seletiva de lixo e tem uma “filosofia velha e ultrapassada”.

EGOS TROPICAIS. Paes decidiu tentar faturar em cima da Rio+20: A reunião dos prefeitos, que ele teria organizado, foi “talvez o que teve de mais efetivo na Rio+20”. Aí Aspásia rebateu: “As resoluções foram baseadas em uma lei minha.”

COMPETÊNCIAS. Rodrigo Maia falou que ia expandir o Metrô – apesar disso ser responsabilidade da administração estadual e não municipal. Mas Freixo também defendeu que se fale sobre o assunto.

Por Gustavo Barreto

Jornalista, 38, com mestrado (2011) e doutorado (2015) em Comunicação e Cultura pela UFRJ. É autor de três livros: o primeiro sobre cidadania, direitos humanos e internet, e os dois demais sobre a história da imigração na imprensa brasileira (todos disponíveis clicando aqui). Atualmente é estudante de Psicologia. Acesse o currículo lattes clicando aqui. Acesse também pelo Facebook (fb.com/gustavo.barreto.rio) e Twitter (@gustavobarreto_).

Ver arquivo

2 respostas em “Primeiro debate eleitoral no Rio – rapidinhas”

Deixe uma resposta