Categorias
Brasil Campo Cidadania Direitos Humanos Meio ambiente Questão agrária Segurança pública Trabalho escravo

Povo de Congonhas, MG, também está sendo violentado pela mineração

Povo de Congonhas, MG, também está sendo violentado pela mineração, abaixo de uma megabarragem, da CSN. Sandoval Filho denuncia. 19/12/2018.

Crimes cometidos por mineradoras, pelo rompimento de barragens de rejeitos, na história de Congonhas/MG, e a cumplicidade do Estado – Por Sandoval de Souza Pinto Filho, no Lançamento do Boletim Informativo Cartografia da Cartografia Social, n.º 11, “Atingidos pelo Projeto Minas-Rio: Comunidades a Jusante da Barragem de Rejeitos” . 19/12/2018. No dia 19 de dezembro de 2018, no Asas de Papel Café & Arte, em Belo Horizonte/MG, aconteceu o lançamento do Boletim Informativo Cartografia da Cartografia Social, no. 11, “Atingidos pelo Projeto Minas-Rio: Comunidades a Jusante da Barragem de Rejeitos”. O evento contou com uma Roda de Conversa, da qual participaram golpeados/as e massacrados/as por barragens, pesquisadores, ambientalistas, sindicalistas, ativistas, jornalistas, estudantes e professoras. Nessa Roda de Conversa, o conhecimento do trabalho realizado e a situação das comunidades Passa Sete, Água Quente e São José do Jassém, nos municípios de Conceição do Mato Dentro e Alvorada de Minas, MG, e a partilha de experiências e preocupações em torno do modelo de extração mineral vigente no estado de Minas Gerais, e a violência com que superexploram comunidades e territórios. Nesse vídeo, o depoimento de Sandoval de Souza Pinto Filho, ex-sindicalista, ambientalista, Diretor de Meio Ambiente e Saúde da União de Associações Comunitárias de Congonhas – UNACCON – na resistência à mineração em Congonhas, que enfatizou a recorrência dos crimes com barragens de rejeitos de minério – lama tóxica – na história de Congonhas, MG, e a cumplicidade do Estado com a liberação das megabarragens em áreas povoadas.

Amostra de mineração em Congonhas, MG. Foto: Divulgação / http://www.correiodeminas.com.br

*Filmagem de frei Gilvander, da CPT, das CEBs e do CEBI. Edição de Nádia Oliveira, colaboradora da CPT-MG. Belo Horizonte/MG, 19/12/2018.

* Inscreva-se no You Tube, no Canal Frei Gilvander Luta pela Terra e por Direitos, no link: https://www.youtube.com/user/fgilvander, acione o sininho, receba as notificações de envio de vídeos e assista a diversos vídeos de luta por direitos sociais. Se assistir e gostar, compartilhe. Sugerimos.

Por Frei Gilvander Moreira

Frei e padre da Ordem dos carmelitas; doutor em Educação pela FAE/UFMG; licenciado e bacharel em Filosofia pela UFPR; bacharel em Teologia pelo ITESP/SP; mestre em Exegese Bíblica pelo Pontifício Instituto Bíblico, em Roma, Itália; assessor da CPT, CEBI, CEBs, SAB e Ocupações Urbanas; prof. de “Movimentos Sociais Populares e Direitos Humanos” no IDH, em Belo Horizonte, MG. E-mail: gilvanderlm@gmail.com. Página: www.gilvander.org.br

Ver arquivo

Uma resposta em “Povo de Congonhas, MG, também está sendo violentado pela mineração”

Deixe uma resposta