Renato Kress: Arquivo 2003

Fuga de Creta
29 de dezembro

Desigualdade e Ética no Brasil
4 de setembro

Caostemporaneidade
3 de agosto

Rótulos
1 de agosto

Metodologia da contemporaneidade
23 de julho

Matrix, uma visão antropológica
8 de junho

Golpe de Mestre!
26 de maio

PT, PDT, Heloísa, Babá e afins
23 de maio

Tradição da burguesia e desenvolvimento
19 de maio

Conflito no Iraque
Março e abril

A Racionalidade de George
27 de março

Imortais, uma perspectiva
18 de fevereiro

Ana Rachel Dantas: arquivo 2001-2003

Olhos de Ressaca
22 de novembro, 2003. Um visão sobre Jornalismo Cultural, de Daniel Piza.

Panis et Circensis
18 de julho, 2003

A Estética da Linguagem de Graciliano Ramos em “Infância”
16 de julho, 2003

Nova consciência política
27 de dezembro, 2002

Eleições 2002: Nudezas de pujança

Ana Rachel Dantas, 11 de setembro, 2002. Ultimamente os debates políticos não permeiam apenas os notívagos: os presidenciáveis utilizam o seu tempo (cada um à sua maneira) na mídia para expor os que lhes convêm, enquanto os telespectadores podem tecer suas conclusões. A princípio, não há anormalidade nesses acontecimentos, mas certas injunções estão sendo discutidas por toda a população brasileira.

Liturgia da Seca II
7 de outubro, 2001

Voto: um instrumento de democracia
5 de setembro, 2001

Paraguai: arquivo 2003

Paraguai: juiz determina prisão de Stroessner

17/10/2003. O juiz paraguaio Arnaldo Fleitas expediu uma ordem internacional de prisão contra o ex-presidente militar do Paraguai, Alfredo Stroesser, que vive exilado no Brasil. Stroessner deixou o seu país em 1989, quando foi destituído do poder, sob acusações de violações dos direitos humanos. bbc aqui

Paraguai: Lula chega prometendo ajuda

15/8/2003. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou nesta quinta-feira à noite a Assunção, no Paraguai, reafirmando sua promessa de ajudar financeiramente o país. Lula participa nesta sexta-feira da cerimônia de posse do novo presidente paraguaio, Nicanor Duarte Frutos.

“Como a maior economia da América do Sul, temos o compromisso de ajudar no desenvolvimento dos países com menor dimensão de Produto Interno Bruto, de menor dimensão territorial e de menor dimensão populacional”, afirmou o presidente, numa rápida declaração, logo que desembarcou no aeroporto de Assunção. Lula também falou sobre os “brasiguaios”, brasileiros e descendentes que vivem no Paraguai e se sentem discriminados no país. “Temos uma nação de brasileiros que mora no Paraguai e precisamos encontrar uma solução tranquila para esta gente”, afirmou. bbc brasil, aqui

Paraguai: Duarte Frutos quer ‘mudar história’ do país

15/8/2003. Nicanor Duarte Frutos assumiu nesta sexta-feira a presidência do Paraguai e, para muitos, seu mandato será cheio de desafios, especialmente os relacionados à luta contra a corrupção e à falta de credibilidade do Executivo. Duarte Frutos concedeu esta entrevista exclusiva a Andrea Machaín, correspondente da BBC no país. Leia aqui

Paraguai: posse presidencial

14/8/2003. Os presidentes de Cuba, Fidel Castro e da Venezuela, Hugo Chávez, chegaram ao Paraguai na primeira hora desta quinta-feira para a posse de Nicanor Duarte como presidente do Paraguai. O primeiro a chegar foi o presidente cubano, cujo o avião tocou o solo paraguaio às 5h30 locais (mesmo horário em Brasília), constatou um jornalista da AFP no aeroporto Silvio Petttirossi em Assunção.

Rodeado por um forte aparato de segurança e vestido com sua tradicional farda verde oliva, Fidel Castro deixou o terminal aéreo sem dar declarações, ao contrário do presidente venezuelano Hugo Chávez, que chegou 20 minutos depois de Fidel. Segundo informações da televisão paraguaia, o presidente venezuelano pediu um acordo entre os presidentes sul-americanos para que peçam moratória e não paguem a dívida externa.

Castro e Chávez, assim como outros oito presidentes e cerca de 95 delegações estrangeiras assistirão nesta sexta-feira a posse de Nicanor Duarte, que será o 46º presidente do Paraguai. (jb online)

Paraguai: ministro fora

1/8/2003. O ministro da Justiça e Trabalho do Paraguai, José Burró, que afirmou que brasileiros e argentinos são um “bando de sem-vergonhas”, renunciou ontem, segundo anúncio do presidente Luis González Macchi. Em entrevista à imprensa, Burró deixou o cargo e com isso termina o caso que causou descontentamento aos governos da Argentina e do Brasil.

Segundo Macchi, a chefe de Gabinete Civil do Palácio do Governo, Stella Samaniego, ficará encarregada pelo despacho do ministério até 15 de agosto, quando o governo do presidente eleito, Nicanor Duarte, tomará posse. Burró irritou-se terça-feira com os países vizinhos depois que o embaixador brasileiro em Assunção, Augusto de Castro Neves, disse que o Brasil está disposto a investir no Paraguai se houver condições de segurança jurídica e aprofundar-se a institucionalização do país.

Em declarações à imprensa na capital paraguaia, Burró ironizou a declaração e disse que ele “também quer encontrar um brasileiro honesto”. “Nós, sim, temos de falar de nós e admitir nossos erros, mas não vou permitir que nenhum curepí (nome depreciativo com que são chamados em guarani os argentinos) e nenhum bandeirante (referência aos brasileiros) venha me ensinar moral, bando de sem-vergonhas”, afirmou Burró, acrescentando que o que os brasileiros têm de fazer é “meter-se com suas brasileiras”. (Tribuna da Imprensa)

Chile: arquivo 2003

Chile tem primeira greve geral em duas décadas

14/8/2003. A maior central sindical do Chile realizou a primeira greve geral do país em quase duas décadas. A polícia chilena usou gás lacrimogêneo e canhões de água para dispersar manifestantes que bloqueavam as ruas da capital do país, Santiago, na quarta-feira.

Os organizadores, da Central Única dos Tabalhadores (CUT) chilena, declararam que a greve havia sido um sucesso. Por sua vez, o governo do presidente Ricardo Lagos considerou que a paralisação não havia tido grande repercussão. A greve foi convocada pela CUT, que agrupa mais de 640 mil trabalhadores, para reivindicar melhores condições de trabalho e mais benefícios trabalhistas. bbc brasil aqui

Brasil patrocinou golpe de Pinochet em 1973, diz jornal

4/8/2003. Às vésperas dos 30 anos do golpe militar no Chile, que derrubou Salvador Allende e colocou o general Augusto Pinochet no poder, uma investigação do jornal chileno La Tercera mostra porque o embaixador brasileiro era chamado de o quinto membro da Junta Militar chilena. (Emir Sader, Agência Carta Maior, aqui)

Chile e Cingapura, ‘livre comércio’ com EUA

1/8/2003. O Senado dos Estados Unidos aprovou na quinta-feira os tratados de livre comércio do país com o Chile e com Cingapura. Os dois acordos – que já haviam recebido o aval da Câmara dos Representantes há uma semana – foram os primeiros a ser fechados pela administração Bush usando o conjunto de leis conhecido como “Fast Track”, que tem o objetivo de facilitar acordos comerciais.

Apesar de ser denominado livre, é visível a superioridade de empresas norte-americanas em relação a de outros países, o que torna a concorrência extremamente desigual. No âmbito das Américas, cerca de 75% do comércio é dominado por empresas dos Estados Unidos. (Gustavo Barreto, com BBC Brasil, aqui)

Bolívia: arquivo 2003

Oposição boliviana denuncia intervenção dos EUA na crise

Marco Aurélio Weissheimer, Agência Carta Maior, 17 de outubro, 2003. Sindicalistas e o líder da oposição, Evo Morales, acusam embaixador norte-americano de interferir na crise para evitar queda do presidente Sánchez de Lozada. Assessores militares dos EUA ajudariam a coordenar repressão à rebelião popular. Leia mais

Bolívia: ‘Valor Econômico’ vacilou
Gustavo Barreto, Consciência.Net, 16 de outubro, 2003. Quando um jornal se permite o direito de fazer reportagens sobre outro país, ele deve ter no mínimo respeito pelos grupos políticos legítimos que formam a conjuntura local. No caso da Bolívia, o jornal paulista Valor Econômico(…) relatou a situação na Bolívia da forma mais superficial possível. Leia mais

Bolívia: presidente propõe ‘plebiscito do gás’

16/10/2003. O presidente boliviano, Gonzalo Sánchez de Lozada, propôs a realização de um plebiscito sobre o plano de novas exportações de gás natural, que provocou uma violenta série de protestos pelo país. Lozada disse que, se a violência continuar, “vai ficar claro que os manifestantes têm o objetivo de subverter a ordem constitucional”.

No entanto, líderes da oposição já rejeitaram a proposta e voltaram a pedir a renúncia do presidente. Os manifestantes protestam contra a venda de gás aos Estados Unidos, intermediada pelo Chile, que tem uma rivalidade histórica com a Bolívia. A crise no país continua tão séria que, na noite desta quarta-feira, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva autorizou o envio de dois aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) para resgatar cerca de 50 brasileiros que estavam de passagem pela capital boliviana, La Paz, e não conseguiram deixar o país por causa dos protestos. bbc aqui

Bolívia: greve geral por tempo indeterminado

Verena Glass, Agência Carta Maior, 14/10/2003. Setores como educação, transportes, saúde, distribuição de combustível e até as padarias estão parados em La Paz, Cochabamba, Oruro e Santa Cruz, em protesto contra a sangrenta repressão do governo aos movimentos sociais nos últimos dias. Leia aqui

Laura Cassano, Agência Carta Maior, 14/10/2003. A Soberania dos Povos, organização popular liderada por Evo Morales, foi convidada a tomar parte de uma tentativa de golpe de Estado na Bolívia, mas se negou a participar, diz Astério Romero, vice-presidente de entidade de cocaleiros. Leia aqui

Bolívia: protestos na continuam a todo gás

CMI Brasil, 12/10/2003. Os protestos na Bolívia contra a privatização dos recursos naturais e pela renúncia do Presidente Sanchez Losada, que começaram no mês passado, continuam e têm se intensificado. Uma greve geral já dura mais de 10 dias e mobilizações constantes em várias cidades do país crescem cada vez mais. Leia aqui

Bolívia abre mercado de compras públicas e antecipa Alca

13/8/2003. O governo boliviano decidiu abrir o disputado mercado de compras governamentais a empresas internacionais, antecipando um dos principais itens propostos pelo governo dos Estados Unidos no projeto de criação da Área de Livre Comércio das Américas (ALCA). O decreto 27040, promulgado no dia 16 de maio pelo presidente Gonzalo Sánchez de Lozada, estabelece a realização de licitações internacionais para todas as compras de produtos e serviços feitas pelo Estado.

O Movimento Boliviano de Luta contra a ALCA diz que a medida significa a aplicação antecipada da área de livre comércio no país, prejudicando os produtores nacionais. Com o decreto, todas as compras de uniformes escolares, alimentação escolar, medicamentos, construções, serviços profissionais e transportes, entre outros setores, estarão abertas ao mercado internacional. (Marco Aurélio Weissheimer, Agência Carta Maior, aqui)

Brasil e Bolívia, ação do Exército

6/8/2003. O governador de Mato Grosso, Blairo Maggi (PPS) pediu ontem ao ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, a presença do Exército brasileiro na fronteira do Mato Grosso com a Bolívia. O Estado tem 720 quilômetros de fronteira seca com o país vizinho por onde passariam drogas, armas e carros roubados nos dois países. “Se combatermos o tráfico na fronteira, diminuiremos muito a criminalidade em grandes centros como Rio de Janeiro e São Paulo”, disse Maggi.

O Mato Grosso é o 21ª Estado a aderir ao Sistema Único de Segurança Públcia. Maggi disse ao ministro que está preocupado com o combate ao crime organizado em Mato Grosso. Segundo ele, o trabalho dos Ministérios Públicos Federal e Estadual, bem como das polícias e do Poder Judiciário, tem sido bem feito e surtido grandes efeitos. (Tribuna da Imprensa)

Grupo indígena armado surge na Bolívia para luta anti-repressão

Reuters, 29 de janeiro, 2003. Camponeses quíchuas de uma belicosa zona “cocalera” do centro da Bolívia anunciaram o surgimento de um grupo armado para a defesa das causas indígenas frente à repressão militar e policial.

Peru: arquivo 2003

Peru confirma adesão ao Mercosul e fortalece bloco

16/12/2003. A 25ª reunião de cúpula dos presidentes dos países que integram o Mercosul, realizada nesta terça-feira (16/12), em Montevidéu, marcou a confirmação da adesão do Peru ao bloco, na qualidade de membro associado. O encontro também consolidou a criação de um conjunto de acordos entre os países-membros nas áreas de serviços, investimentos e compras governamentais.

Outro resultado importante da reunião de cúpula foi a revisão do documento Objetivo 2006, proposto pelo Brasil na reunião anterior, realizada em junho. O Objetivo 2006 estabelece esse ano como limite para a entrada em vigor da união aduaneira, acabando com as exceções à Tarifa Externa Comum (TEC) no bloco. O documento também traça metas institucionais, como a integração política, social e cultural entre os países que integram o Mercosul.

Guerra civil no Peru matou 69 mil, diz relatório

28/8/2003. Um relatório do governo peruano, divulgado nesta quinta-feira, sugere que 69 mil pessoas morreram ou desapareceram entre 1980 e 2000, na guerra civil vivida pelo Peru depois da revolta de grupos de esquerda. O número é bastante superior ao estimado anteriormente de cerca de 40 mil vítimas. bbc aqui

Lula sela acordo entre Mercosul e Peru em Lima

25/8/2003. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou nesta segunda-feira, em Lima, um acordo de livre comércio entre o Peru e o Mercosul. A assinatura do acordo foi o evento mais importante da visita de 24 horas que o presidente fez ao país. Na noite desta segunda-feira, Lula embarcaria para Caracas, na Venezuela.

No primeiro dos compromissos de uma intensa programação, Lula voltou a pregar a integração da América do Sul, desta vez em oposição a outros parceiros comerciais. “Estamos mais próximos da América Latina do que dos Estados Unidos, estamos mais próximos do que da União Européia, e às vezes voltamos as costas para os nossos vizinhos e buscamos aliados onde não há”, afirmou o presidente no domingo, em um dos três discursos que fez no Palácio do Governo. bbc aqui

Peru e Brasil

24/8/2003. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva desembarca no Peru hoje na tentativa de fechar um acordo comercial entre o país e o Mercosul, dentro do projeto de construir o que seria o quarto pólo econômico mundial, informa Clóvis Rossi. “O bem-estar e o progresso de nossos vizinhos fomentam nosso próprio bem-estar e progresso”, afirma o chanceler Celso Amorim.

Na viagem a Lima, informa Julia Duailibi, Lula pretende ainda vender os dados captados pelos satélites do Sivam (Sistema de Proteção da Amazônia) para o Peru, que manifestou interesse em usar as informações ali obtidas no combate ao terrorismo e ao tráfico de drogas. (fsp, pág. 1, A5 e A16)

Diário fundado em 13 de maio de 2000

Sair da versão mobile