A favela e o funk em exposição no asfalto carioca


Revelar um olhar realista sobre as favelas e o funk. Esse é o tema central de uma exposição que reúne, no Rio de Janeiro, trabalhos inéditos de fotógrafos da Agência Olhares do Morro, que desde 2002 reúne jovens oriundos da Rocinha, Santa Marta e Vidigal — três das maiores comunidades da zona sul carioca. A partir do dia 17 de janeiro, o público poderá ver uma instalação multimídia interativa, a mostra solo de três autores jovens e um ensaio inédito sobre funk que destacam a estética da favela como espaço privilegiado. Estão programadas também palestras e debates sobre esse gênero musical. Local: Centro Cultural Telemar — rua Dois de Dezembro 63, Flamengo, Rio de Janeiro. Telefone: (21) 3131-3060; Quando: De 17 de Janeiro a 05 de fevereiro 2006, das 11h às 20h; Abertura para convidados: 16 de janeiro, 19h30. Informações, programação e contatos, clique no link a seguir.

Que a televisão não eleja nem derrube nenhum candidato a presidente da República

por IVANA BENTES

Espero que em 2006 fique cada vez mais evidente que a televisão brasileira é uma concessão do Estado e da sociedade brasileira, e não o contrário, o Estado brasileiro e a sociedade reféns da televisão. Sendo concessões públicas, as TVs em 2006, além de usarem a concessão para ganhar dinheiro ou como máquina político-eleitoral, poderiam quadruplicar sua contrapartida pública, social, cultural, experimental, educativa, para além do mercado, do lucro e da chantagem política.

Como a TV é importante e influente demais para ficar na mão apenas dos executivos, do marketing e dos altos índices de audiência, espero que em 2006 seja aberta a caixa-preta da TV para os conselhos de ética, à produção independente, à produção regional e exibam na TV aberta o cinema, à videoarte e aos curtas-metragens brasileiros.

Espero que o Brasil não perca a oportunidade histórica, com a implantação da TV digital, de democratizar o mais poderoso meio de comunicação do país. Dependendo do que for decidido agora, no início de 2006 será possível aumentar e disponibilizar novos canais (multicanais) para novos atores, movimentos sociais, ONGs, favelas, para o cinema brasileiro, para os coletivos de arte, as universidades etc. ou manter as emissoras de TV sob o controle dos mesmos, de uma minoria.

Agora, implantar o sistema de alta definição (HDTV) em 2006 só para transmitir a Copa do Mundo da Alemanha e faturar milhões em anúncios é um negócio que só as emissoras de TV e o ministro das Comunicações, Hélio Costa, defendem. Nenhuma linha a mais de definição na tela é necessária para ver um jogo de futebol, e interatividade para clicar e comprar produtos na tela da TV não tem nada a ver como democracia participativa! Espero que seja revista a Lei Geral de Comunicação de Massa e que televisão, cinema, vídeo, internet e toda produção audiovisual possam ser finalmente reguladas e regulamentadas por um só órgão, a Ancinav (Agência Nacional de Cinema e Audiovisual). Agência que foi abortada por questões políticas, lobby e pressão das emissoras de televisão.

Espero que, em 2006, todo telespectador brasileiro, associação, grupo, rede, organização tenham direito de resposta na TV, podendo ocupar o tempo necessário, na TV aberta ou a cabo, sempre que forem lesados em seus direitos de cidadão. Esteticamente, espero que os núcleos de experimentação de novas linguagens cresçam e apareçam, que a interatividade inteligente e os novos formatos, como os “reality shows” e games, não se esgotem na sua versão comercial, que se invista em documentários que produzam conhecimento novo, que investiguem a realidade, e não apenas ilustrem o que já sabemos com “faits-divers” e imagens sensacionalistas.

Que os criadores da TV descubram a televisão segundo Jean-Luc Godard, Peter Greenaway, The Kitchen [centro de vídeo, música, performance, dança, filme e literatura em Nova York], descubram o documentário experimental e uma nova iconografia para expressar o Brasil que não seja só o nacional-popular, o nacionalismo engessado, o neopopulismo, mas as novas imagens e forças, transnacionais, que nos habitam e que a TV ainda não conseguiu mapear. Que as imagens das favelas nos telejornais não sirvam apenas para produzir o medo, o preconceito, os discursos de repressão e o estado de exceção, imagens e reportagens que legitimam o assassinato diário de favelados pela polícia e que produzem um novo conservadorismo que pede a remoção das favelas e a expulsão dos pobres de nosso campo visual. Em 2006, espero que a televisão não faça campanha eleitoral nos seu programas de entretenimento, nos “talk shows”, nos telejornais e que não eleja nem derrube nenhum candidato a presidente da República. É pedir demais?

______________
Ivana Bentes é professora da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro e autora de “Joaquim Pedro de Andrade” (ed. Relume-Dumará). Texto publicado originalmente na Folha de S. Paulo de 18/12/2005.

Mais de 300 propostas de referendos e plebiscitos tramitam no Congresso

Estão em tramitação no Congresso Nacional 300 propostas de referendos ou plebiscitos. Na lista estão temas como a transposição do Rio São Francisco, a revisão do processo de privatização das estatais e o pagamento da dívida externa. A consulta pode ser por meio de referendos, com os cidadãos opinando sobre leis já aprovadas, ou por plebiscitos, quando a convocação é feita antes do projeto de lei ser sancionado pelo Poder Legislativo ou Executivo. Informações do Boletim NPC em dezembro de 2005.

Acervo de autor comunista é roubado

O acervo completo do arquivo do autor comunista Octávio Brandão foi roubado nesta terça, 3 de janeiro. A documentação encontrava-se na casa de sua filha, Dionysa Brandão. O ladrão entrou sem arrombar a porta e levou apenas os documentos. “Trata-se, portanto, de crime encomendado por alguém que sabe da importância e do valor destas fontes para a reconstituição da História do Brasil Contemporâneo”, diz uma amiga de Brandão.

Octavio Brandão foi poeta, libertário, anarquista, comunista e precursor do petróleo no Brasil. Autor de obras como ‘Canais e Lagoas’, ‘Agrarismo e Industrialismo’, ‘Combates e Batalhas’, entre outras. Juntamente com Astrojildo Pereira, foi um dos formadores do PCB (Partido Comunista Brasileiro). Suas idéias e sua prática eram conhecidas pelas polícias políticas que o denominavam de “farmacêutico, perigoso, agitador de operários”. Foi preso inúmeras vezes, viveu no exílio por 16 anos e por muitas décadas na clandestinidade.

Caso alguém tenha alguma notícia desta preciosa documentação, faça contato com a redação pelo consciencia@consciencia.net

________________________
Da Agência Consciência.Net, janeiro de 2006

Universidade suspende venda da Coca Cola no campus

A Universidade de Michigan, nos EUA, nao renovou o contrato de cerca de US$ 1,4 milhao que tinha com a Coca Cola para venda de produtos da marca em seu campus. O movimento foi provocado por acusaçoes de envolvimento da companhia com violaçoes dos direitos humanos e do meio ambiente em outros países.

Denuncia feita em 2005 pela organizaçao Students Organizing for Labor and Economic Equality diz que, na Colombia, a fabricante de refrigerantes teria se associado a grupos paramilitares para pressionar e ameaçar sindicatos locais.

Acusa a empresa tambem de estar drenando agua do subsolo para sua fabrica na India, colocando em risco o abastecimento do sul do país. A decisao da Universidade, que entrou em vigor no domingo, afeta vending machines, restaurantes, refeitorios e dormitorios dos estudantes. Noticia da AP. Deu no BlueBus.

Diário fundado em 13 de maio de 2000

Sair da versão mobile