Categorias
Campo Questão agrária

Nota pública: Pistolagem e criminalização de lideranças no Cone Sul de Rondônia

A Comissão Pastoral da Terra (CPT) em Rondônia e organizações sociais divulgaram nota pública pedindo a libertação do presidente do Sindicato de Trabalhadores Rurais de Vilhena, Udo Wahlbrink, e outras lideranças, acusadas por confrontos durante ocupação de pequenos agricultores nas terras da Associação Água Viva. A Nota denuncia, ainda, ameaças de morte a Udo por parte de um grupo de extermínio.

Confira a Nota:

Os representantes das Associações de Pequenos Agricultores, Sindicato dos Trabalhadores Rurais, Comissão Pastoral da Terra de Rondônia, e abaixo assinantes, deploramos a atuação parcial da justiça na chamada Operação Gaia I, com a prisão efetuada o dia 05 de Março de 2012, do presidente do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural de Vilhena (RO) e do Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STTR-FETAGRO) Sr. Udo Wahlbrink , assim como Sr. Roberto Ferreira Pinto, vereador de Chupinguaia, Diorande Dias Montalvão, agricultor da Associação Água Viva, de Chupinguaia, também detidos, além da expedição de mandato de segurança contra o Sr. Pedro Arrigo, Presidente da Associação Nossa Senhora Aparecida.

Estes fatos representam uma criminalização dos pequenos agricultores, tratados como terroristas, quando, na realidade, estes vêm atuando em legítima defesa denunciando roubos, incêndios criminosos de moradias e de lavouras, destruição de casas e de pontes, disparos, ameaças e intimidações, e expulsões de suas posses. Sem que providências fossem tomadas.

Por este motivo, e por defender o direito dos posseiros da região diante da atuação parcial da justiça, já que ele estava sofrendo graves e reiteradas ameaças de morte por parte de um grupo de extermínio atuante na região, denunciadas na Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República e na Ouvidoria Agrária Nacional sem que nenhuma providência fosse tomada pelas autoridades, pedimos:

– A liberdade imediata de Udo Wahlbrink e de todos os detidos na operação.

– Providências contra os acusados de atos de pistolagem, tentativas de homicídio, incêndios, furtos, ameaças e intimidações contra os grupos de posseiros.

– O respeito e regularização de posse de todos os pequenos agricultores que moram e trabalham na terra há anos.

– Urgência na resolução dos processos judiciais do INCRA, de retomada de terras abandonadas com Contratos de Alienação de Terras Públicas para reforma agrária.

Vilhena, 07 de março de 2012.

Seguem 35 assinaturas de representantes de 11 associações de agricultores de Vilhena, Fetagro, e CPT RO.

Deixe uma resposta Cancelar resposta

Sair da versão mobile