Categorias
Cultura Economia Opinião

No universo dos seres libertários um tributo a Engels é devido

No universo dos seres libertários um tributo a Engels é devido

 

Dos anônimos eu parto, de bom grado

De mulheres e homens, mundo afora

De anteontem, de ontem e de agora

Que se deram e se dão – muitos tombados

Por buscarem e querer o inverso lado

Dos “de baixo” ignorando dor, gemido

Desdenhando a rotina dos sofridos

Só nos resta ousar novo itinerário

No universo dos seres libertários

Um tributo a Engels é devido 

Engels nasce em família abastada

Na Alemanha do século XIX

Seu percurso de vida nos demove

De entendê-lo qual mero conto de fada

Da riqueza, por ele bem usada

Em favor de operários oprimidos

E se opõe da família ao pedido

Preferindo seguir seu ideário

No universo dos seres libertários

Um tributo a Engels é devido 

Dos irmãos, Engels era o primeiro

Dentre os nove nascidos na família

Mas, por si, um caminho diverso trilha

Da família, Engels segue sendo herdeiro

E do pai vai cuidar do seu dinheiro

Da cidade de Barmen onde nascido

Para Bremen vai Engels, a pedido

Sem findar o seu curso secundário

No universo dos seres libertários

Um tributo a Engels é devido

O fascínio do jovem é diverso

Estreando do pai a nova “escola”

Eis que lá, vê regime que esfola

Na indústria do pai estando imerso

Logo aprende as lições deste universo

O sofrer dos “de baixo” é percebido

Como antes jamais havia sido

Então busca a raiz deste calvário

No universo dos seres libertários

Um tributo a Engels é devido

Com o tempo, seu pai se toca e estranha

As ideias do filho e as companhias

Por julgar que não eram tão sadias

Se decide dar jeito àquela sanha

E ao filho confia lição tamanha

O envia a Manchester, decidido

À cidade de negócios com tecido

Na empresa, com sócios solidários

No universo dos seres libertários

Um tributo a Engels é devido

Se a ideia do pai era afastá-lo

Só reforça em Engels o compromisso

De aliar-se aos ‘’de baixo’’, não sendo omisso

Provocando no pai um sério abalo

Mary Burns, sua paixão o faz caído

Tendo ele com ela percorrido

Ambientes infectos mais sofridos

Ele aprende de perto, o abecedário

No universo dos seres libertários

Um tributo a Engels é devido

Tudo anota este jovem onde passa

E à noite reflete, teoricamente

Solidário, projeto pra aquela  gente

Troca cartas com gente de sua graça

As ideias de Hess também abraça

Sem deixar de fazer o assumido

Os negócios da empresa são geridos

Mas, seguiu o seu próprio ideário

No universo dos seres libertários

Um tributo a Engels é devido

Descobertas, profundas, geniais

Tem efeitos ampliado, em cadeia

De vigor, suas ideias estão cheias

Novidade para Marx isto traz

Que aprofundo o projeto mais e mais

Nas pesquisas que faz, sendo atrevido

Um conjunto de truques e bramidos

Da ciência Econômica, refratário

No universo dos seres libertários

Um tributo a Engels é devido

E na volta de Engels a sua terra

Se encontra com Marx, em Paris

Seus achados repassa, e lhe diz

Pesquisando, mistério desenterra

Um artigo ao qual Marx bem se aserra

E pública em “Anais”, estremecido

Pela ideia de Engels convencido

Da ideia é Marx signatário

No universo dos seres libertários

Um tributo a Engels é devido

Outro efeito deveras explosivo

Foi o livro por ele publicado

Detalhando as misérias do estado

Condições de trabalho, passa ao crivo

Com mulheres, meninos quais cativos

Nos porões de casebres retraídos

Ouve e anota seus gemidos

Do sistema mostrando o corolário

No universo dos seres libertários

Um tributo a Engels é devido

Juntos, Marx e Engels em parceria

Cada qual com luz própria, bem dotados

Re-propõem ao mundo novo traçado

Disto fala “Manifesto” e anuncia

Conclamando os “ debaixo” á rebeldia

Refazendo este mundo envelhecido

Recobrando dos humanos o sentido

Destronando o império do denário

No universo dos seres libertários

Um tributo a Engels é devido

Propriedade, Estado e família

Eis um tema por Engels pesquisado

Ao buscar as origens do Estado

Boas fontes históricas, ele trilha

Farejando resquícios da Bastilha

No controle machista que é vivido

Com mulheres e pobres assim tem sido

Faz-se urgente encontrar um estuário

No universo dos seres libertários

Um tributo a Engels é devido

Dos escritos de Engels variados

E com Marx também em coautoria

Se destacam: a alemã ideologia,

A sagrada família – bom recado

Uma crítica aos valores renegados

Camponeses que enfrentam, aguerridos

Poderio dos príncipes, seu Partido

Apoiados por Müntzer solidário

No universo dos seres libertários

Um tributo a Engels é devido

Quando Marx faleceu em 83

gigantesca tarefa Engels assume

Outro traço, também vem a lume

Localiza, re-lê mais de uma vez

Os escritos de Marx contra o burguês

Manuscritos, inúmeros escondidos

Um trabalho realmente bem tecido

Homenagem ao fiel depositário

No universo dos seres libertários

Um tributo a Engels é devido

Amizade que une estas figuras

Vai além de seus bons 40 anos

Dedicados, por inteiro ao humanos

Um exemplo tocante de ternura

Eis por que seu legado ‘inda perdura

Despertando um discurso destemido

Ao exemplo de ambos dando ouvido

De excelência eis grande mostruário

No universo dos seres libertários

Um tributo a Engels é devido

João Pessoa, 01 de dezembro de 2020.

Deixe uma resposta