Categorias
Opinião

Mario Rodrigues, um grande jornalista pouco lembrado

“(…) Cada leitor – segundo ‘Crítica’ – conhece um caso sensacional que desejaria ver publicado. Como incentivo, oferecia todas as terças-feiras 100 mil réis para o melhor caso.”

Por Gustavo Barreto
Os filhos de Mário Rodrigues
Poucos sabem, mas esse negócio de Mídia Ninja e Black Bloc é coisa muito antiga. E seu idealizador é nada mais nada menos que o sujeito que “produziu” Nelson Rodrigues e Mário Filho (ambos na foto): o grande jornalista Mário Rodrigues, pai de ambos e fundador dos jornais “A Manhã” e “Crítica”.
“(…) Cada leitor – segundo ‘Crítica’ – conhece um caso sensacional que desejaria ver publicado. Como incentivo, oferecia todas as terças-feiras 100 mil réis para o melhor caso.”

Vale cada palavra deste texto de Matías M. Molina, para quem se interessa pela imprensa: http://bit.ly/1eRHsWC
Um outro filho, mais desconhecido do grande público — Roberto Rodrigues — foi um dos maiores artistas de sua época: http://bit.ly/1eRIjqf

“O Globo” publicou uma nota (acima) poucos dias após a sua morte, na edição de 21 de março de 1930, o descrevendo como “o jornalista de tanta popularidade que a mão da morte vem de roubar ao convívio de amigos, parentes e confrades”.
Sobre o “A Manhã”: hemerotecadigital.bn.br/artigos/manh%C3%A3-1
No Wikipédia: pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%A1rio_Rodrigues
Na mini-bio de Nelson: www.nelsonrodrigues.com.br/site/sobre.php

Por Gustavo Barreto

Jornalista, 39, com mestrado (2011) e doutorado (2015) em Comunicação e Cultura pela UFRJ. É autor de três livros: o primeiro sobre cidadania, direitos humanos e internet, e os dois demais sobre a história da imigração na imprensa brasileira (todos disponíveis clicando aqui). Atualmente é estudante de Psicologia. Acesse o currículo lattes clicando aqui. Acesse também pelo Facebook (fb.com/gustavo.barreto.rio) e Twitter (@gustavobarreto_).

Ver arquivo

Deixe uma resposta