Categorias
Cidadania Economia Memória & Consciência

Lula: “Vou voltar porque não posso ver o país destruído por um incompetente”

Lula encerrou sua visita ao Maranhão, nesta sexta-feira (2), com um comício para milhares de pessoas na capital São Luís, ao lado dos candidatos que apoia no estado, incluindo os concorrentes a governador Carlos Brandão (PSB), a vice governador Felipe Camarão (PT) e a senador Flávio Dino (PSB) (veja aqui o Time de Lula no estado).

Ao discursar, Lula disse que a principal razão de decidir se candidatar mais uma vez a presidente é impedir que o país continue sendo destruído por um incompetente desumano.

“Tomei a decisão de voltar a ser candidato porque não posso aceitar esse país ser destruído pela incompetência de um fascista, pela incompetência de alguém que, na sua juventude, foi expulso do Exército Brasileiro, de alguém que conta sete mentiras por dia, de alguém que é capaz de decretar 100 anos de sigilo”, disse (assista ao discurso no fim desta matéria).

 

Lula voltou a dizer que, se eleito, pretende revogar todos os decretos de sigilo de Bolsonaro. “Quem não deve não teme. Portanto, não deve esconder um dia. Ele está tentando esconder 100 anos”, argumentou.

“Até aquele ministro general dele, da Saúde (Eduardo Pazuello), que tem tanta responsabilidade quanto ele pela morte de centenas de milhares de pessoas por Covid, recebeu como prêmio um sigilo de 100 anos para esconder a corrupção descoberta pela CPI da Covid”, completou.

LEIA MAIS: Sigilo de 100 anos é para esconder corrupção de Bolsonaro. Entenda

Lula aproveitou para agradeceu aos profissionais de saúde, especialmente os do SUS, que lutaram para salvar vidas, enquanto Bolsonaro e Pazuello nada faziam.

“Muitos morreram para tentar salvar as vidas que o genocida não teve cuidado. Um presidente que não derramou uma lágrima por nenhuma criança que morreu, um presidente que achava normal os velhinhos morrerem, que deixou gente morrer asfixiada em Manaus, por falta de oxigênio. Esse genocida não merece estar na Presidência da República”, afirmou.

 

Mensagem aos jovens

Se o povo escolhê-lo, Lula prometeu reconstruir o Brasil e retomar os vários programas que Bolsonaro extinguiu, como o Minha Casa Minha Vida, o Luz Para Todos e a política de combate à fome, para acabar com essa tragédia mais uma vez.

Lula também se comprometeu a gerar empregos, aumentar o salário mínimo acima da inflação, ajudar as famílias a se livrarem das dívidas e a garantir crédito com juros baratos para os pequenos e médios empresários.

Também vai investir na educação de crianças e jovens. “Esse país vai mudar a partir da educação. Juventude do meu Brasil, pagar para vocês estudarem não é gasto, é investimento. Porque cada jovem bem formado trará de retorno uma qualificação profissional, trará para o Brasil um cientista, um engenheiro, o que é importante sobretudo nesta era digital.”

Por isso, Lula vai investir nas escolas de tempo integral e voltar a apostar no Fies, no ProUni, em novas universidades e escolas técnicas. “Não desanimem nunca, porque vocês podem, vocês têm condições, vocês são inteligentes. A única coisa que falta é o Estado criar oportunidade”, garantiu.

 

Mentiras de Bolsonaro

O ex-presidente lembrou que faltam 30 dias para as eleições e pediu o empenho de todos para combater as mentiras que a campanha suja de Bolsonaro espalha todos os dias, como as que tentam fazer os evangélicos terem medo de Lula.

“É tanta mentira que eles dizem até que não sou cristão, veja que absurdo. Quem criou a Lei de Liberdade Religiosa fui eu, em 2003. Quem criou o Dia do Evangélico, fui eu. Quem fez a Lei da marcha com Jesus fui eu. E eles ainda mentem descaradamente. Agora, vou dizer uma coisa a vocês: o meu Deus é o Deus da verdade, do amor, não é o deus do ódio”, discursou.

Se novamente eleito, Lula prometeu dedicar cada minuto dos quatro anos que passará na presidência para trazer alegria e esperança de volta aos brasileiros e às brasileiras.

“Serão quatro anos da minha vida em que quero dedicar, cada minuto, para reconstruir este país e reconquistar o respeito do mundo. O Brasil sempre foi um país adorado e respeitado. Mas, hoje, com esse genocida, ninguém quer vir aqui. E ninguém quer recebê-lo, porque ele é do mal”, definiu.

E concluiu dizendo que o Dia da Independência está chegando, será comemorado no próximo dia 7. “Mas a verdadeira independência acontecerá dia 2 de outubro, quando o povo for à urna e transformar o Brasil em um país soberano”, finalizou.

Fonte: PT

(02/09/2022)

Deixe uma resposta Cancelar resposta

Sair da versão mobile