“Lugar de ladrão é na cadeia”, diz Romário sobre Marín

Ao reforçar pedido de CPI da CBF, o deputado afirmou que o dirigente não tem condições de comandar a instituição responsável pelo futebol brasileiro
Ao reforçar pedido de CPI da CBF, o deputado afirmou que o dirigente não tem condições de comandar a instituição responsável pelo futebol brasileiro

Mario Coelho,
Congresso em Foco
O deputado Romário (PSB-RJ) voltou a mirar sua bateria contra o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), José Maria Marín. Após defender a instalação da CPI do Futebol em discurso realizado na tribuna da Câmara, o parlamentar do PSB disparou contra o comandante da entidade máxima do futebol brasileiro. No terceiro ano de mandato, Romário assumiu a presidência da Comissão de Turismo e Desporto (CTD) da Câmara no dia 6.
“Ele é ladrão, a gente sabe que ele roubou uma medalha, o último roubo dele foi de energia do seu vizinho. Então uma pessoa dessa não tem condições psicológicas de comandar uma instituição que é a CBF, principalmente em anos tão importantes como este da Copa das Confederações e próximo ano da Copa do Mundo”, afirmou Romário, em entrevista após discurso na tribuna.
Romário se referiu a dois episódios recentes de Marín. O primeiro foi na final da Copa São Paulo de Futebol Júnior, no ano passado, quando câmeras de televisão flagraram o então vice-presidente da CBF colocando uma das medalhas da premiação no bolso. O mais recente é um “gato” do atual presidente da CBF, consumindo energia elétrica de um vizinho de forma ilegal, de acordo com matéria do jornal Folha de S. Paulo.
A reação de Romário contra Marín se deve muito à declarações do presidente da CBF há duas semanas. Em programa de entrevistas na Rede TV, ele considerou o hoje deputado e ex-craque do futebol brasileiro como uma “decepção” como político. “Excelente campeão do mundo, mérito como jogador, mas como político, não… Política se faz construindo, não destruindo. Ele emprega a desagregação”, disse.
Após ter sido eleito para a CTD, Romário disparou contra Marín. Na última segunda-feira (11), porém, elevou o tom. Além de dizer que “lugar de ladrão é na cadeia”, afirmou que a administração da entidade piorou.
 
Sobre a CPI da CBF
Romário conseguiu assinaturas suficientes no ano passado e disse que vai procurar o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) para tentar instalar a comissão. Ele conseguiu o apoio de 188 deputados, 17 a mais que o necessário. Antes de ser instalada, a CPI entra em uma fila. Atualmente, existem outras nove na frente.
“A gente está num momento bem importante pro nosso país e o Brasil tem que saber exatamente as coisas que passaram, que passam, e que irão passar dentro da CBF, principalmente no que se refere à organização da CBF em si e seus patrocinadores, seus contratos, que infelizmente ninguém tem noção do que realmente acontece lá dentro”, explicou.

Deixe uma resposta