Categorias
Brasil Cidadania Direitos Humanos

Eleições municipais. Uma possibilidade humanizadora

A proximidade das eleições municipais desperta a nossa consciência diante desta possibilidade de expressar a vontade cidadã de trazer de volta para o Brasil o império da Constituição e da justiça.

O fato de que o Estado e as classes dominantes menosprezem a vida, tida apenas como um “fator de produção” descartável após o uso, nos põe diante da necessidade de tomarmos uma direção clara em defesa da vida humana.

A vida de uma pessoa não termina quando se aposenta, se é que pode se aposentar, uma vez que muitas vezes é obrigada a continuar a trabalhar após a aposentadoria, dada a insuficiência de renda para a sua sobrevivência.

Existem alternativas ao sistema capitalista. A atual situação mundial mostra um quadro em que os movimentos populares, os setores invisibilizados (mulheres, trabalhadores/as informais, agricultura familiar, LGBT, população negra) manifestam a sua vontade decidida de ocuparem o centro da cena econômica, política e social.

O recente Encontro de Movimentos Populares com o Vaticano foi um grito de alerta. Isto não se sustenta. O Brasil não pode ficar de braços cruzados frente à política genocida em marcha sob o atual governo ilegal e ilegítimo, nascido do golpe de estado de 2016 e das eleições fraudulentas de 2018.

É hora de redemocratizar este país. Vote em candidatas e candidatos de fato comprometidos/as com a vida, a justiça, a educação, os direitos humanos e sociais, os direitos laborais.

Estes últimos 4 anos têm nos levado a um quadro de fome, desemprego, desespero, que é imperioso reverter. A opção pela humanidade deve prevalecer por sobre as opções que privilegiam o dinheiro, a propriedade, o lucro.

A vida não têm preço. Neste quadro de pandemia é importante lembrar que a vida continua sendo o bem mais precioso.

Muitas vezes basta uma pessoa, um ato, uma palavra, para nos redimirmos. A responsabilidade pessoal e a integridade quanto aos valores supremos são o único que nos resguarda da destruição. Em qualquer situação, podemos eleger.

Deixe uma resposta