Categorias
Cidadania Direitos Humanos Economia

Centrais farão 1º de maio unificado no Pacaembu, em São Paulo, após dois anos de atos virtuais

Por Tiago Pereira

Dirigentes estão em Brasília para apresentar as agendas dos trabalhadores ao Legislativo e Judiciário

Pelo quarto ano consecutivo, as centrais sindicais farão ato unificado neste 1º de Maio. O evento será na Praça Charles Miller, em São Paulo, em frente ao Estádio do Pacaembu, a partir das 10 horas. Com o lema Emprego, Direitos, Democracia e Vida, será o primeiro ato público presencial promovido pela data, após dois anos no formato virtual, em razão da pandemia. Participam da organização do evento CUT, Força Sindical, UGT, CTB, NCST, CSB, Intersindical Central, CSP Conlutas, Intersindical IL e Pública.

Daniela Mercury, Dexter e Lecy Brandão estão entre os artistas confirmados para celebrar o Dia do Trabalhador. O evento contará com a presença de representantes de diversos movimentos sociais e políticos alinhados com as pautas dos trabalhadores.

Nesse sentido, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também é esperado. “Também vamos convidar personalidades e dirigentes políticos que defendem pautas progressistas”, adiantou o secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves, o Juruna, à Agência Sindical.

Além de consolidar a unidade das centrais, o ato será um importante momento de fortalecer a luta pela valorização dos direitos, de acordo com os dirigentes. Além disso, esperar unir as vozes das representações da classe trabalhadora, que está sofrendo com a volta de inflação, em especial dos alimentos e dos combustíveis.

Em Brasília

Os dirigentes estão em Brasília para apresentar as Agendas das Centrais Sindicais para o Legislativo e o Judiciário mesta terça-feira (12). Depois de uma cerimônia durante a manhã, encontram os presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD), e do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Emmanoel Pereira. Uma audiência com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP), também deve ocorrer, mas o horário ainda não havia sido definido até o fechamento desta matéria.

Ontem, as centrais fizeram a primeira exposição da pauta dos trabalhadores na Comissão de Direitos Humanos (CDH) do Senado. “As agendas que estamos entregando ao Congresso Nacional e ao Judiciário são fruto da unidade do movimento sindical, e devem servir como bandeira, guia e instrumento de luta de toda a classe trabalhadora para o próximo período”, afirmou o presidente da CUT, Sérgio Nobre.

Para ele, as eleições deste ano vão definir como será o país nas próximas décadas. “E não é este país do desemprego, da fome, da miséria, da mentira, do negacionismo, do ódio, das milícias, das privatizações, ou seja, desse governo que está aí, que queremos”, prosseguiu.

O senador Paulo Paim (PT-RS) classificou a apresentação do documento como um momento “histórico”. Segundo o parlamentar, trata-se de “uma importante ferramenta para que o movimento sindical e nós mesmos, aqui dentro do Parlamento, possamos nos organizar para combater as ameaças contidas em outros projetos”.

As agendas

A Agenda Legislativa é composta por medidas e projetos, que visam ao fortalecimento do emprego e da renda para a classe trabalhadora. Também há posicionamentos contrários a projetos que tramitam no Congresso e que precarizam as relações de trabalho. Por exemplo, a chamada carteira verde e amarela.

As centrais também marcam posição em relação a temas como o racismo estrutural, o avanço do desmatamento, a liberação de agrotóxicos, a violência e ocupação de terras indígenas, a exploração do trabalho infantil, a igualdade salarial entre homens e mulheres, o combate à violência de gênero e a LGBTfobia, dentre outros.

Da mesma forma, a Agenda Jurídica organiza os temas relevantes em matérias de direito social do trabalho que estão em tramitação no Supremo Tribunal Federal (STF). Entre as ações de interesse dos trabalhadores estão, por exemplo, a correção dos depósitos nas contas vinculadas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) pela Taxa Referencial (TR), e a derrubada dos chamados honorários de sucumbência. Isso porque, após a “reforma” trabalhista, quando o trabalhador perde uma causa, é obrigado a arcar com as custas do processo.

Lula recebe pauta unificada

Na quinta-feira (14), é a vez das centrais se reunirem com Lula em São Paulo. No encontro, os sindicalistas vão apresentar a Pauta Unificada da Classe Trabalhadora para as eleições de 2022. O documento, que foi aprovado na Conferência da Classe Trabalhadora (Conclat), na semana passada, contém medidas emergenciais e estruturais para garantir empregos, recuperar direitos trabalhistas e previdenciários, fortalecer a representação sindical, além de promover a democracia e a defesa da vida.

A intenção das centrais é apresentar a pauta unificada também aos demais pré-candidatos à presidência. O encontro com Lula ocorrerá a partir das 10h, com transmissão ao vivo pelas redes sociais de canais progressistas.

Fonte: Brasil de Fato

Deixe uma resposta Cancelar resposta

Sair da versão mobile