Categorias
Opinião

Breve pausa para a subversão e para o esquecimento

Tango foi sempre uma “palavra suja”, diz Piazzolla. Sempre esteve ligado ao submundo. O Papa considerou a dança tão lasciva que era proibida, permitida somente entre os homens.

“Oblivion” (‘Esquecimento’), de Astor Piazzolla, com arranjo para eufônio (espécie de trombone. Ou seria um barítono?) e piano por Greg Anderson. Eufônio: Carl Berdahl. Piano: Greg Anderson. Câmera: Julius Oatts, Elizabeth Joy Roe, Greg Anderson e Carl Berdahl. Edição de Vídeo: Greg Anderson. Local: Sudler Hall e Universidade de Yale.

“Even the scarlet flowers of passion seem to grow in the same meadow as the poppies of oblivion.” < Oscar Wilde >

“Até as flores vermelhas da paixão parecem crescer no mesmo pasto que a papoula do esquecimento” < Oscar Wilde >

+: www.andersonpiano.com

Por Gustavo Barreto

Jornalista, 39, com mestrado (2011) e doutorado (2015) em Comunicação e Cultura pela UFRJ. É autor de três livros: o primeiro sobre cidadania, direitos humanos e internet, e os dois demais sobre a história da imigração na imprensa brasileira (todos disponíveis clicando aqui). Atualmente é estudante de Psicologia. Acesse o currículo lattes clicando aqui. Acesse também pelo Facebook (fb.com/gustavo.barreto.rio) e Twitter (@gustavobarreto_).

Deixe uma resposta Cancelar resposta

Sair da versão mobile