Aquarius, Snowden e a Miudeza de Temer

Vale lembrar, que os americanos tinham como informante o atual presidente Michel Temer: antes de ser golpista, Temer remetia informações sigilosas aos americanos sobre os acontecimentos políticos no Brasil, segundo o site Wikileaks.


Não é novidade a comparação do filme Aquarius com os últimos acontecimentos do governo Temer.
O filme, que relata a perversão do mercado imobiliário, serviu como uma boa descrição do que os poderosos do atual governo são capazes de fazer para defender seus interesses pessoais e financeiros. O motivo pelo qual o filme fora sabotado era simples: o elenco se manifestara contra o impeachment da Presidenta Dilma, no festival de Cannes.
Para quem não acompanhou a história, uma das primeiras medidas do governo usurpador foi extirpar o Ministério da Cultura. Após sofrer retaliações da classe artística, Temer voltou atrás e escalou o jovem Marcelo Calero como Ministro da Cultura. Calero, naquele momento, talvez tenha evitado fazer uma reflexão sobre o passo que estava dando: desprezou o golpe de Estado e todas as medidas conservadoras que vinham sendo dadas.
De forma premonitória, a história descrita no filme repetiu-se na vida real. Segundo Calero, o Ministro Geddel e o presidente Michel Temer fizeram pressão para que ele intercedesse indevidamente no processo em que o Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) embargava a obra de um prédio, onde Geddel comprara um apartamento. Tudo bem parecido com o que a protagonista do filme, Clara, representada por Sonia Braga, sofreu na mão de empreiteiros poderosos.
O agora ex-ministro, que não quis entender e considerar o que era o golpe, acabou pedindo demissão.
O que eu quero dizer com isso tudo também não é nenhuma novidade: Temer é um homem pequeno, que está servindo apenas para cumprir a tabela do golpe e nesse ínterim não se poupa de interceder de forma ignóbil pelos seus. A miudeza de Temer não se dá somente pelo golpe, mas por todas as medidas que vem tomando, a distância que tem das necessidades do povo e, principalmente, pela falta de pudor na forma como lida com a coisa pública.
Está cada vez mais difícil sua sustentação como presidente. Disso, até o maior apoiador do impeachment de Dilma sabe.
Enquanto muitos fingem não perceber os motivos pelos quais Dilma caiu, o desemprego passa a atingir 12 milhões de brasileiros, o Banco do Brasil vêm fechando agências, o que pode ser um grande flerte para a sua privatização e a economia despenca levando consigo a autoestima do povo.
A irresponsabilidade da grande imprensa e a ambição das oligarquias jogaram o Brasil no caos.
Ainda sobre o cinema, vale destacar o filme Snowden: herói ou traidor, que revela a perversão dos EUA ao utilizar-se do seu serviço de inteligência para obter informações sigilosas de diversos países. O Brasil foi um dos países vasculhados pelos americanos.
Vale lembrar, que os americanos tinham como informante o atual presidente Michel Temer: antes de ser golpista, Temer remetia informações sigilosas aos americanos sobre os acontecimentos políticos no Brasil, segundo o site Wikileaks.
O filme dá uma bela dica sobre outra face do golpe e seus interesses.
A terceira e última parte dessa crônica ainda não tem filme: é a incessante perseguição a Lula. A parte que não interessa a grande mídia nem aos seus algozes, curiosamente, não vem sendo exposta: já são onze as testemunhas que isentaram Lula e sua esposa Maria Letícia dos crimes imputados na denúncia.
Agora imaginem vocês se toda essa história do apartamento fosse durante o governo Dilma, se esse imóvel de Gedell fosse do Lula e se toda essa trama internacional partisse de Cuba?
Foto(*): agenciabrasil.ebc.com.br

Deixe uma resposta