Agnaldo Timóteo defende ditadura militar durante sessão da Comissão da Verdade

“Todos nós brasileiros deveríamos agradecer por havermos tido Regime Militar”, afirmou o vereador Agnaldo Timóteo durante a sessão da Comissão da Verdade na Câmara Municipal de São Paulo. A sessão aconteceu nessa tarde de 16 de agosto.
Ao escutar o vereador Timóteo, uma moça na platéia abaixou a cabeça e ele a atacou verbalmente. Quando se dirigiu à procuradora da República Eugênia Gonzaga referiu-se ironicamente ao trabalho do Ministério Público Federal (MPF) sobre a vala de Perus, onde encontraram desaparecidos políticos.
Eugênia Gonzaga foi convidada para falar das ações de autoria do Ministério Público Federal em relação aos crimes cometidos durante a ditadura militar. A investigação tem sido feita com base no trabalho dos familiares dos mortos e desaparecidos que, além do paradeiro, exigem justiça.
A procuradora contou que a maioria das ações do MPF foram arquivadas. Existem dificuldades para o andamento dos trabalhos, principalmente quanto à Lei da Anistia de 1979. O Supremo Tribunal Federal acabou decidindo pela permanência da Lei da Anistia, mas a Corte Interamericana de Direitos Humanos disse que neste caso não vale para crimes de violações dos direitos humanos, explicou Eugênia.
O MPF continuou agindo com ações na área cível para incrementar as medidas necessárias à Justiça de Transição. Segundo Eugênia Gonzaga cabe à União a responsabilidade de indenização às vítimas, medidas de memória e justiça, abertura de arquivos, entre outras.
Desde que se falou em Comissão da Verdade no Brasil a polêmica se ascendeu e o tema enfrenta dificuldades. Não há uma ampla discussão nos veículos de comunicação, o que dificulta um melhor esclarecimento.
O vereador Agnaldo Timóteo mostrou-se indiferente a tudo que foi narrado pela procuradora da República e preferiu tripudiar. “Curió foi meu colega deputado federal e por sinal muito ousado, inclusive peitava o pessoal de esquerda, falava muitas barbaridades que ele era um homem muito audacioso”, afirmou após a procuradora citar um dos réus dos do MPF.
(*) Matéria reproduzida do blog Thaisbarreto.com, onde tem o áudio completo da sessão.

3 comentários sobre “Agnaldo Timóteo defende ditadura militar durante sessão da Comissão da Verdade”

  1. não sei porque se revoltaram c/ o agnaldo defender a ditadura.se a ditadura nos dias de hoje ainda existe ,só que esta nas mãos dos assassinos.se fosse ão contrario os absurdos que existe nos dias de hoje não existia.não estamos num país democratico podemos ter nossas opiniões.

  2. se o golpe militar tivesse fracassado teriamos uma ditatura socialista no Brasil nisso ele está certo, a experiencia socialista se mostrou um fracasso em todos os paises inclusive com violações graves de direitos humanos a gente se livrou de uma boa camarada rs.

  3. Não sei o q passa na mente dessas pessoas ao querer condenar toda uma classe em virtude de alguns erros individuais.
    Pior é saber q uma cambada de mauricinhos e patricinhas, q se dizem formadores de opinião, acadêmicos de merda com suas mentes cheias de maconha bancadas pelos seus papaizinhos ricos fazendo o ESCRACHO e ou ESCULACHO, sem perceber q hoje se tem a liberdade democrática de se manifestar como assim o fazem, foi em virtude do “GOLPE de 64”.
    Falam de tantas torturas e injustiças, mas, parece até que não houve nenhum crime cometido pelos “companheiros_revolucionários”
    Esse pessoal não entende, o país estava caminhando para o comunismo e ainda; q niguém puxa um gatilho sozinho. Parece até q militar não tinha família filhos/trabalhadores e estudadntes como eles.
    Ao invés disso, poderiam sim; fazer escracho junto ao congresso para fazer transparecer de forma clara a receita dos impostos pagos. Mas, isso nunca irá aparecer pois grande parte vai para os bolsos de muitos parlamentares corruptos.
    Parabéns Timóteo! Estou contigo.

Deixe uma resposta