Categorias
Brasil Cidadania Educação

A difícil tarefa do discernir cotidiano…

Ao assistir a uma certa emissão da Globo News, fiquei fascinado pela criativa vinheta (ver “link” abaixo) que destacava a “vitalidade da informação”, para o que importa exercitar critérios judiciosos, associando aos critérios que balizam a qualidade da água. Que tal conferir?

Passado o fascínio inicial, e pensando nos desafios do processo formativo coletivo e pessoal, numa perspectiva de alternatividade, vêm-me ao espírito algumas perguntas que me fiz, e que compartilho:

– Não há negar que o bem informar-nos constitui um passo fundamental em nosso processo formativo como Gente. Isto dito e reconhecido, para uma formação alternativa ao modelo vigente, bastaria apropriar-nos de uma informação de qualidade?

– A mera assimilação de um bom conhecimento (informação, dimensão cognitiva), descolada do cotidiano esforço de bem sentir (dimensão afetiva), de bem querer (dimensão volitiva) e de bem fazer (dimensão práxica), na perspectiva também sustentada por Ivandro da Costa Sales, nos leva a quê?

– Quantas pessoas conhecemos (sem também nos eximirmos), nos distintos espaços que protagonizamos, detentoras de conhecimentos preciosos, mas cuja prática chega, não raro, a assustar?

– Em recente leitura e reflexão do cap. IV (“A Reforma e a Palavra”), do livro de Comblin, “A Força da Palavra”, ele lembrava as terríveis consequências do grave equívoco do racionalismo assumido pelos Reformadores (protestantes e católicos), ao acentuarem unilateralmente a dimensão cognitiva (“basta conhecer a doutrina”…), de modo desconectado das demais dimensões do processo de humanização.

No momento em que alguns movimentos sociais e pastorais sociais acenam para um investimento mais sério no processo formativo de seus membros, não será oportuno refletir melhor sobre qual formação nos interessa?

Deixe uma resposta Cancelar resposta

Sair da versão mobile