Categorias
Cultura

40 anos de crítica à razão dualista

Os 40 anos de um dos principais livros da sociologia brasileira, Crítica à razão dualista, de Francisco de Oliveira, será marcado por um ciclo de debates em São Paulo e no Rio de Janeiro. Reunindo pensadores do calibre de Paulo Arantes, Cibele Rizek, Paul Singer, André Singer, Roberto Schwarz, Leda Paulani, Luiz Werneck Vianna, Marcelo Ridenti, Leonardo Guimarães e Tânia Bacelar, além do próprio Chico…

Os 40 anos de um dos principais livros da sociologia brasileira, Crítica à razão dualista, de Francisco de Oliveira, será marcado por um ciclo de debates em São Paulo e no Rio de Janeiro. Reunindo pensadores do calibre de Paulo Arantes, Cibele Rizek, Paul Singer, André Singer, Roberto Schwarz, Leda Paulani, Luiz Werneck Vianna, Marcelo Ridenti, Leonardo Guimarães e Tânia Bacelar, além do próprio Chico. Os seminários enfrentam a difícil e urgente tarefa de reatualizar uma reflexão dialética sobre os impasses da atualidade brasileira.
Realizados com apoio da Boitempo Editorial, em ação conjunta do CENEDIC, Centro Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento, FFLCH-USP e CFCH-UFRJ, os eventos são abertos e gratuitos e sem necessidade de inscrição prévia.
Nos locais dos eventos haverá venda dos livros da Boitempo.
Confira a página oficial de 40 anos de Crítica à razão dualista no Facebook clicando aqui.
Programação completa
21/09 | Sexta-feira | 14h | Rio de Janeiro (RJ)
Auditório Manoel Maurício do Centro de Filosofia e Ciências Humanas da UFRJ
Av. Pasteur, 250 | Campus Praia Vermelha
Com a presença de Francisco de Oliveira, Cibele Rizek, Mauro Iasi, Reinaldo Gonçalves, Rosa Freire d’Aguiar e Tânia Bacelar
Realização: UFRJ, Centro Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento
Apoio: Boitempo Editorial
25/09 | Terça-feira | 17h30 | São Paulo (SP)
FFLCH-USP
Sala 14 Ciências Sociais
Av. Prof. Luciano Gualberto, 315 | Cidade Universitária
Com a presença de Francisco de Oliveira, Leda Paulani, Luiz Werneck Vianna e Paulo Arantes
Realização: CENEDIC, FFLCH-USP
Apoio: Boitempo Editorial
04/10 | Quinta-feira | 17h30 | São Paulo (SP)
FFLCH-USP
Anfiteatro de história
Av. Prof. Lineu Prestes, 338 | Cidade Universitária
Com a presença de Francisco de Oliveira, Marcelo Ridenti, Roberto Schwarz e Paul Singer
Realização: CENEDIC, FFLCH-USP
Apoio: Boitempo Editorial
Crítica à razão dualista/ O ornitorrinco

Publicado primeiramente como um ensaio, em 1972, com o título A economia brasileira: crítica à razão dualista, este clássico da reflexão sobre o Brasil foi transformado em livro em 1973. Trinta anos depois, é reeditado pela Boitempo, batizado simplesmente deCrítica à razão dualista. Somam-se a ele neste volume o ensaio O ornitorrinco, também de Francisco de Oliveira, e o Prefácio com perguntas, de Roberto Schwarz
Em Crítica à razão dualista, Chico de Oliveira propôs uma nova forma de pensar a economia brasileira, oposta à da intelectualidade da época que, ao mesmo tempo em que denunciava a miséria em que vivia (ainda vive) a maior parte da população latino-americana, mantinha seu esquema teórico amarrado à economia de mercado.
Essa dualidade, segundo Chico, “reconciliava o suposto rigor científico das análises com a consciência moral”, levando a proposições reformistas que reduziam a luta de classes à demanda.
Crítica à razão dualista tenta apanhar esses caminhos cruzados: como “crítica, ela pertence ao campo marxista; como especificidade, pertence ao campo cepalino. Quanto à teoria do subdesenvolvimento, ela seria em parte responsável pela não formulação de uma análise do capitalismo no Brasil”.
Três décadas depois, a obra de Chico de Oliveira continua sua busca pela intersecção permanente entre a política, a economia e a sociedade brasileira e seus conflitos. Foi assim que ele promoveu a atualização de sua Crítica, escrevendo O ornitorrinco, nome que deu ao Brasil de hoje, sob o signo de Darwin: “altamente urbanizado, pouca força de trabalho e população no campo, dunque nenhum resíduo pré-capitalista; ao contrário, um forte agrobusiness. Um setor industrial da segunda Revolução Industrial completo, avançando, tatibitate, pela terceira revolução, a molecular-digital ou informática. (…) Mas esta é a descrição de um animal cuja “evolução” seguiu todos os passos da família! Como primata ele já é quase Homo sapiens! Parece dispor de “consciência”, pois se democratizou há já quase três décadas. Falta-lhe, ainda, produzir conhecimento, ciência e técnica: basicamente segue copiando, mas a decifração do genoma da Xylella fastidiosa mostra que não está muito longe de avanços fundamentais no campo da biogenética; espera-se apenas que não resolva se autoclonar, perpetuando o ornitorrinco”.
Esse bicho, que não é isso nem aquilo – um animal improvável na escala da evolução –, foi a forma encontrada por Chico para qualificar a espécie de capitalismo que se gerou no país e que não dá mostras de mudança no momento mesmo em que o Partido dos Trabalhadores chega à Presidência da República.
Somado aos dois ensaios do autor, neste volume encontramos o magnífico Prefácio com perguntas, de Roberto Schwarz. Mais que uma bela e original análise da obra de Chico, esse prefácio é um chamado a que pensemos o mundo além do estreito pragmatismo corrente. O que o leitor terá em mãos representa uma contribuição – e uma provocação – inestimável nestes tempos que continuam obscuros e deveriam desvelar uma aurora.
[leia mais]
Sobre o autor
Francisco de Oliveira, um dos mais importantes sociólogos brasileiros, é professor titular de sociologia da Universidade de São Paulo, diretor do Centro de Estudos dos Direitos da Cidadania da USP e autor de vasta obra, em que se destacam A economia da dependência imperfeitaOs direitos do antivalorNoiva da revolução / Elegia para uma re(li)giãoA navegação venturosa: ensaios sobre Celso FurtadoHegemonia às avessas e A era da indeterminação.
Ficha técnica
Título: Crítica à razão dualista/ O ornitorrinco
Autor: Francisco de Oliveira
Prefácio: Roberto Schwarz
Páginas: 150
Ano de publicação: 2003
ISBN: 85-7559-036-7
Preço: R$ 34,00 | Preço ebook: R$ 18,00 (disponível aqui e aqui)
Editora: Boitempo

Deixe uma resposta